20.2 C
Brasil
terça-feira, abril 20, 2021
Início Brasil Barroso determina instalação da CPI da Pandemia no Senado

Barroso determina instalação da CPI da Pandemia no Senado

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, determinou a abertura pelo Senado da CPI para apurar a conduta de integrantes do governo federal em relação à pandemia. A decisão é uma derrota para o Palácio do Planalto.

A decisão foi dada em um mandado de segurança apresentado pelos senadores Alessandro Vieira e Jorge Kajuru para que o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco, instale a comissão. O ministro liberou a ação para julgamento colegiado imediatamente no Plenário Virtual do STF — e começa a ser analisada no próximo dia 16.

Na liminar, o ministro destacou que a Constituição estabelece que as CPIs devem ser instaladas sempre que três requisitos forem preenchidos: assinatura de um terço dos integrantes da Casa; indicação de fato determinado a ser apurado; e definição de prazo certo para duração. Não cabendo, portanto, possibilidade de omissão ou análise de conveniência política por parte da Presidência da Casa Legislativa. Conforme o ministro, há diversos precedentes da Suprema Corte neste sentido.

O pedido para a criação da comissão foi protocolado em fevereiro. Nesta quinta-feira, Vieira e Kajuru entraram com uma petição rebatendo argumentos da advocacia-geral do Senado para a não abertura da CPI.

Segundo eles, Pacheco tem agido com “deliberada inércia”, se omitindo “na tomada das providências necessárias à efetiva instalação da CPI”, o que configura “abuso legislativo flagrantemente inconstitucional a desafiar, plenamente, o exercício, pelo Judiciário, da atividade de controle jurisdicional”.

Os senadores ainda rebatem o argumento de que faltariam condições sanitárias adequadas para o funcionamento da Comissão Parlamentar de Inquérito. “Evidentemente, tal como tem sido feito com as sessões plenárias do Senado da República, a CPI pode perfeitamente realizar os trabalhos à distância, sem prejuízo de sua efetividade.

Ao conceder a liminar, Barroso também destacou que compete ao relator decidir sobre liminares em mandado de segurança, mas que, como defende que o tribunal se manifeste – sempre que possível – colegiadamente, preferia levar o tema ao plenário, o que não ocorreu nesta quinta-feira em razão do julgamento sobre a abertura de missas e cultos durante a pandemia.

“Coerente com a minha visão de institucionalidade da Corte, tinha a intenção de submetê-la em mesa ao Plenário, na data de hoje. Infelizmente, a relevância e a extensão do julgamento relativo ao decreto restritivo de cultos religiosos durante a pandemia impediram que o fizesse. Observo, porém, que se trata, como demonstrado adiante, de mera reiteração de jurisprudência antiga e pacífica do Tribunal.”

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Processos de Witzel sofrem debandada de advogados de defesa

Após sucessivas derrotas — a última delas foi um pedido para suspender o impeachment negado pelo ministro Alexandre de Moraes — os advogados que...

Caso Henry: Polícia Civil do Rio deve encerrar inquérito nesta semana

A Polícia Civil do Rio de Janeiro não definiu, ainda, se vai ouvir Monique Medeiros, de 33 anos, mãe do menino Henry Borel, de...

Governo abre segundo edital de parceria privada para atuação em Alcântara

A Agência Espacial Brasileira (AEB) publicou na última sexta-feira o segundo chamamento público e tem a expectativa de atrair grupos internacionais e nacionais, que...

A aposta da Embrapa para impulsionar o agro

A Embrapa começa a executar nos próximos dias o maior levantamento já realizado sobre as características do solo brasileiro. A plataforma tecnológica s ser utilizada...