28.8 C
Brasil
quarta-feira, fevereiro 24, 2021
Início Brasil Bolsonaro ganha fôlego para mostrar serviço e sonhar com a reeleição

Bolsonaro ganha fôlego para mostrar serviço e sonhar com a reeleição

As oposições de redes sociais, coalhadas de sonhadores do impeachment, terão nesta terça uma nova missão pela frente. Jair Bolsonaro não apenas sepultou o risco de impedimento como colocou no comando dos dois cargos mais importantes do Congresso parlamentares apadrinhados por ele, patrocinados por verbas bilionárias, cargos e toda sorte de promessas e barganhas. Gente que deve a ele e sabe disso.

O toma lá dá cá tão demonizado na campanha eleitoral sacramentou o casamento do presidente da “nova política” com o centrão de Arthur Lira na Câmara e com o DEM de Rodrigo Pacheco no Senado. Nos dois casos, os votos jorraram por causa de interesses bem distantes da discussão ideológica de independência parlamentar para fiscalizar o Executivo.

Lira e Pacheco, é verdade, fizeram discursos de independência e “relação harmônica” com os demais poderes. Bolsonaro, no entanto, não pagou o que pagou para conviver com gente que rejeita pedidos de forma simpática, mas sim para conseguir aprovar na Câmara e no Senado a sua agenda de governo.

Se deixar de lado o atraso da pauta de costumes e direcionar o foco de seus aliados para a agenda econômica e social, pode ser que o presidente consiga aproveitar 2021 para livrar-se do risco de acabar como Donald Trump, sem reeleição. Se atrapalhar a política, como fez em 2019 e 2020, perderá uma grande oportunidade.

A aliados, antes da derrota, até Rodrigo Maia reconhecia que o presidente ainda tinha chances de chegar forte em 2022, apesar de todos os episódios deploráveis da pandemia. Bastaria, na avaliação de Maia, permitir que a nova base do Congresso votasse a agenda econômica que está travada na Casa. Tudo para ontem, claro.

O foco de deputados e senadores no trabalho tem prazo de validade curto, terminando neste primeiro semestre. A partir do segundo, com as eleições já no horizonte, a chance de passar matérias necessárias para sanear as contas, mas antipopulares a determinados setores da sociedade, será bem menor.

O relógio joga contra Bolsonaro, mas joga ainda mais pesado contra a oposição e é aí que vem a tarefa da turma que adora perder tempo nas redes sociais. Enquanto o presidente terá Câmara, Senado e seis meses para mostrar trabalho, os partidos de esquerda e de centro terão de lutar para construir um projeto de país que seja vendável nas urnas e ainda produzir alianças em torno de nomes capazes de capitanear a massa de eleitores arrependidos do voto em Bolsonaro. Divulgar esse programa hoje inexistente e a biografia da figura que irá executá-lo são desafios da oposição.

Se 2022 chegar embalado por um governo que aprovou reformas e conseguiu prover mais alguns meses de auxílio emergencial sem furar o teto, será difícil evitar um segundo turno entre o que está aí e o PT de outros pleitos – sempre com lugar cativo nos segundos turnos. E aí começaremos a dar a segunda volta no círculo iniciado em 2019.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Governadores criticam desvinculação de receitas da educação e saúde

Governadores do Nordeste se posicionaram contra a desvinculação das receitas constitucionalmente destinadas a ações e serviços públicos de saúde e a manutenção e desenvolvimento...

Laboratório de Santarém quer identificar novas cepas da Covid-19

Parceria entre o governo do Pará e a Universidade Federal Oeste do estado (Ufopa) reativou, nesta quarta-feira, 24, o Laboratório de Biologia Molecular (Labimol),...

A dobradinha de Guedes e Roma no Planalto

Nesta terça, no início da cerimônia com prefeitos no Palácio do Planalto, o ministro da Cidadania, João Roma, e o chefe da Economia, Paulo...

Alcolumbre é eleito presidente da CCJ do Senado

Como previsto, Davi Alcolumbre acaba de ser eleito por aclamação o novo presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a mais importante...