22.3 C
Brasil
domingo, abril 18, 2021
Início Brasil Bolsonaro levou 818 dias para ter três mulheres no primeiro escalão

Bolsonaro levou 818 dias para ter três mulheres no primeiro escalão

Jair Bolsonaro demorou 818 dias (dois anos e quase três meses) para aumentar de dois para três o número de mulheres no primeiro escalão do seu governo.

Nova articuladora política do Palácio do Planalto, a deputada Flávia Arruda se junta às ministras Tereza Cristina (Agricultura) e Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos), que estavam no plantel original do presidente.

Não custa lembrar que em 2019, em pleno Dia Internacional da Mulher, Bolsonaro lançou uma pérola ao declarar que cada uma das suas ministras valia por dez homens.

Disse ainda que o número ínfimo de representantes do sexo feminino no seu ministério era “somente um pequeno detalhe”.

Aliás, Bolsonaro promoveu mais 23 alterações no primeiro escalão, contando com as outras cinco trocas anunciadas nesta segunda. Todas de homens por homens. E apenas dez pastas permanecem com o comando inalterado desde o início do mandato.

As alterações:

1. Gustavo Bebianno – Floriano Peixoto (Secretaria-Geral da Presidência)
2. Ricardo Vélez – Abraham Weintraub (Educação)
3. Carlos Alberto dos Santos Cruz – Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo)
4. Floriano Peixoto – Jorge Oliveira (Secretaria-Geral da Presidência)
5. Gustavo Canuto – Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional)
6. Onyx Lorenzoni – Braga Netto (Casa Civil)
7. Osmar Terra – Onyx Lorenzoni (Cidadania)
8. Luiz Henrique Mandetta – Nelson Teich (Saúde)
9. Sergio Moro – André Mendonça (Justiça e Segurança Pública)
10. André Mendonça – José Levi (AGU)
11. Nelson Teich – Eduardo Pazuello (Saúde)
12. Abraham Weintraub – Carlos Decotelli (Educação)
13. Carlos Decotelli – Milton Ribeiro (Educação)
14. Fábio Faria – Comunicações
15. Marcelo Álvaro Antônio – Gilson Machado (Turismo)
16. Jorge Oliveira – Onyx Lorenzoni (Secretaria-Geral)
17. Onyx Lorenzoni – João Roma (Cidadania)
18. Eduardo Pazuello – Marcelo Queiroga (Saúde)
19. Ernesto Araújo – Carlos Alberto Franco França (Relações Exteriores)
20. Luiz Eduardo Ramos – Flávia Arruda (Secretaria de Governo)
21. Braga Netto – Luiz Eduardo Ramos (Casa Civil)
22. Fernando Azevedo – Braga Netto (Defesa)
23. Anderson Gustavo Torres – André Mendonça (Justiça e Segurança Púbica)
24. José Levi – André Mendonça (Advocacia-Geral da União)

Leia também:

  • Bolsonaro escolhe novo chefe do Itamaraty e anuncia outros nomes.
  • Pujol reúne alto comando do Exército para tratar de possível saída.
  • Demissão de Azevedo abre intervenção política de Bolsonaro na área militar.
  • ‘Bolsonaro pediu o cargo’, diz aliado de Fernando Azevedo.
  • Escolha de diplomata de carreira como chanceler traz alívio ao Itamaraty.
Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

A dura missão de Braga Netto na Defesa

Walter Braga Netto levará um tempo para vencer a desconfiança na caserna. No Exército, oficiais generais de alta patente consideram que Braga Netto aprendeu...

A relação do novo chefe do Itamaraty com a China

Se o ambiente melhorou com os Estados Unidos na esteira dessa discussão da Cúpula do Clima de Joe Biden, o mesmo pode-se dizer em...

Os ‘exemplos domésticos’ do ministro Edson Fachin, do STF, no isolamento

No isolamento social há um ano, o ministro Edson Fachin, que comanda os casos da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal, divide o tempo entre...

Presidenciáveis de centro e esquerda se unem em críticas a Bolsonaro

Cinco presidenciáveis de diferentes partidos e ideologias – o apresentador de TV Luciano Huck (sem partido), os governadores João Doria (PSDB-SP) e Eduardo Leite...