25.5 C
Brasil
quinta-feira, fevereiro 25, 2021
Início Brasil Caciques do DEM encaram ameaças de Maia como ‘birra’

Caciques do DEM encaram ameaças de Maia como ‘birra’

Rodrigo Maia colheu duras derrotas dentro do seu partido, o DEM, durante a campanha de Baleia Rossi ao comando da Câmara. As facadas do seu partido, diga-se, decorrem da mágoa deixada nos caciques por causa da insistência de Maia em tentar o voo solo de uma reeleição, desgastando aliados e atraindo dificuldades para a sigla continuar no comando do Senado.

Os caciques do DEM dão como certo que Davi Alcolumbre teria conseguido autorização para disputar a reeleição, se Maia não tivesse tentado pegar carona.

Por considerar que o presidente da Câmara só trabalhava para o seu próprio projeto, não o do partido, a turma de ACM Neto foi se distanciando de Maia e preparando pequenas vinganças, como a última, de liberar a bancada para votar no seu opositor, Arthur Lira.

Os rumores que surgiram ao longo do dia, de que Maia poderia aceitar um dos tantos pedidos de impeachment contra Bolsonaro, guardados na gaveta dele há tempos, foram vistos como “birra de perdedor”. Algo semelhante foi dito sobre ameaça de que o deputado deixaria o partido por se sentir traído.

Na avaliação de integrantes da cúpula do DEM, Maia está ferido, mas não mancharia sua carreira política sendo o atirador suicida que jogaria o país numa crise artificial de impeachment.

Continua após a publicidade

Não há clima político para o acolhimento do pedido. Se Maia colocasse seu CPF nessa jogada, faria a alegria momentânea de algumas figuras da oposição, mas não chegaria a lugar nenhum.

O próximo passo depois do sim de Maia, no processo de cassação do presidente da República, seria a formação de uma comissão com os líderes dos partidos, que analisaria o pedido recebido. A coisa, como se vê, morreria aí, já que Bolsonaro nutre apoio político para evitar a sequência do processo.

Maia, por outro lado, ao fazer tal movimento, confirmaria aos olhos do mercado a imagem de despreparo político que seus inimigos sempre tentaram atribuir a ele.

Para integrantes do DEM, uma decisão favorável de Maia ao impeachment, nas últimas horas de mandato como chefe da Câmara, soaria como golpe a Bolsonaro, abrindo caminho para que o presidente vestisse a figura de vítima e recorresse a toda sorte de narrativas para seguir no cargo. A aposta no caos, algo sonhado pelo bolsonarismo radical, teria na ação de Maia sua maior incentivadora.

Maia, claro, sabe de tudo isso. Daí o motivo de seus colegas não acreditarem no balão de ensaio lançado no noticiário.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Lira recua e minimiza impacto da ‘PEC da impunidade’

Após a péssima repercussão do anúncio da PEC que altera a prisão de parlamentares, o presidente da Câmara Arthur Lira, deu declarações dizendo que...

Prefeitura do Rio lacra veículos de concessionária da Linha Amarela

A prefeitura do Rio de Janeiro sequer calculou o valor de indenização pela encampação da Linha Amarela S.A., mas já está bem à vontade...

A última do marqueteiro de Pazuello na Saúde

Markinhos Show, o marqueteiro de Eduardo Pazuello na Saúde, deu para intimidar jornalistas por telefone em busca de informações sobre fontes de notícias publicadas...

STJ tem dia decisivo para definir escolha do próximo ministro

O pleno do STJ decide nesta quinta-feira qual será o formato – se presencial ou por videoconferência – da sessão destinada a discutir o preenchimento da...