21.6 C
Brasil
terça-feira, março 2, 2021
Início Brasil CGU cita ‘falta de transparência evidente’ em ações para primeira infância

CGU cita ‘falta de transparência evidente’ em ações para primeira infância

Um relatório da Controladoria Geral da União aponta grave ausência de transparência nas políticas do governo federal para a primeira infância, o que sugere descontrole e indícios de corrupção. Das 117 ações mapeadas pelo órgão de controle, em 103 (88%) não foi possível identificar quanto e como os recursos foram aplicados.

“Além da falta de transparência evidente, fica demonstrada a ausência de controle de cada pasta sobre suas ações, já que todas foram abordadas sobre o assunto, solicitando informações dos valores designados a cada uma das ações, e poucas as forneceram”, diz a CGU em relatório datado de 22 de janeiro. Foram ouvidos os ministérios da Cidadania; Educação; Justiça e Segurança Pública; da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos; da Saúde e do Ministério do Turismo.

Metade (48%) das ações não dispõe de coleta de dados para monitoramento e avaliação. Além disso, para 78,6% delas não há divulgação do resultado. Das 36 ações do Ministério da Saúde mapeadas pela CGU, 35 não têm divulgação. Das 17 ações do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, 16. “É essencial que os dados referentes aos seus resultados sejam disponibilizados de forma desagregada, possibilitando o acompanhamento específico das ações voltadas ao público infantil”, lembra a CGU.

Segundo o órgão, o ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, que tem à frente Damares Alves, vítima de violência sexual na infância, sequer conta com uma ação específica para o público, formado por crianças entre 0 e 6 anos. Das 32 ações exclusivas mapeadas pela CGU, o Ministério da Saúde é o que congrega o maior número, com 21 programas que tomam a primeira infância como foco exclusivo – o Ministério da Cidadania tem 5 e o MEC tem 4.

Embora a CGU reconheça as iniciativas do poder público, como o Marco Legal da Primeira Infância, de 2016, afirma que elas são executadas “de forma independente e descoordenada”, em que “não há política que as integre” nem “coordenação intersetorial que as envolva”.

A Política Nacional Integrada não foi implementada e, assim, na avaliação do órgão, a fragilidade pode levar a sobreposições, duplicação e fragmentação. É o caso da segurança alimentar, em que os ministérios da Saúde e da Cidadania têm programas com objetivos e público-alvo idênticos. “A existência de uma política só em que os organismos se articulassem poderia ser mais eficiente”, diz a CGU.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

STF arquiva denúncia da PGR contra “quadrilhão do PP” e salva Lira

A Segunda Turma do STF arquivou a denúncia por organização criminosa contra o chamado “quadrilhão do PP”, que envolvia o presidente da Câmara, Arthur Lira,...

STF julga lei de antenas de SP inconstitucional e abre espaço para 5G

Uma decisão do Supremo Tribunal Federal publicada ontem julgou inconstitucional a Lei de Antenas de São Paulo. A prefeitura e a câmara municipal recorreram...

Governadores ‘desistem’ de Pazuello para assumir a gestão da crise

Como já aconteceu em outras vezes ao longo dos últimos meses de pandemia da Covid-19, uma comitiva de 21 governadores foi a Brasília nesta...

Ministro pede aposentadoria ao vivo em sessão do STJ

O ministro do Superior Tribunal de Justiça Nefi Cordeiro, de 57 anos, pediu aposentadoria ao vivo durante a sessão de julgamentos desta terça-feira. “Pensei muito...