20.6 C
Brasil
quarta-feira, março 3, 2021
Início Brasil Em confronto, polícia mata foragido do Escritório do Crime no Rio

Em confronto, polícia mata foragido do Escritório do Crime no Rio

Foragido desde junho de 2020, o ex-PM Anderson de Souza Oliveira, o Mugão, foi morto por agentes da Polícia Civil do Rio de Janeiro após um confronto no bairro de Ramos, na Zona Norte da capital fluminense, nesta sexta-feira, 12.

Ele é apontado pela polícia e pelo Ministério Público do Rio como um dos integrantes do grupo de milicianos e assassinos de aluguel conhecido como Escritório do Crime – fundado pelo ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega, também morto pela polícia no interior da Bahia em fevereiro do ano passado.

Em nota, a polícia disse que Oliveira atirou nos agentes da Delegacia Especializada de Armas, Munições e Explosivos (Desarme) durante a abordagem e morreu após o confronto. Ele foi socorrido ao Hospital Getúlio Vargas, mas não resistiu aos ferimentos. “As investigações continuam para identificar outros integrantes do grupo criminoso”, afirma o comunicado.

Com ele, foram apreendidos um revólver, uma pistola, uma mochila com anotações sobre cobranças de aluguéis e uma identidade falsa da Polícia Civil do Rio.

Identidade falsa apreendida pela políciaPolícia Civil/Divulgação

Na estrutura hierárquica do Escritório do Crime, Mugão era responsável pelo levantamento, vigilância e monitoramento das vítimas, além de executar os assassinatos.

Mugão é apontado como um dos possíveis participantes da execução do contraventor Marcelo Diotti da Matta, morto em uma emboscada a tiros no estacionamento de um restaurante na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, no noite de 14 de março de 2018 – mesmo data em que a vereadora Marielle Franco e que o motorista Anderson Gomes foram assassinados no atentado no Estácio, região central da capital.

De acordo com as investigações, o ex-PM foi o responsável pelo monitoramento de Diotti meses antes do crime ser executado por ele, por Leonardo Gouvêa Da Silva, o Mad, Leandro Gouvêa Da Silva, o Tonhão, e João Luiz Da Silva, o Gago. Os dois primeiros, que são irmãos, foram presos na Operação Tânatos em 30 de junho de 2020. Já Silva permanece foragido.

O assassinato de Diotti teria sido encomendado pelo capitão Adriano devido a desavenças do chefe da milícia de Rio das Pedras e Muzema com o contraventor. Ainda segundo a denúncia, eles costumavam frequentar a padaria Sabor da Floresta, o chamado “Escritório” da organização criminosa, onde costumavam se encontrar para planejar assassinatos sob encomenda.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

STF arquiva denúncia da PGR contra “quadrilhão do PP” e salva Lira

A Segunda Turma do STF arquivou a denúncia por organização criminosa contra o chamado “quadrilhão do PP”, que envolvia o presidente da Câmara, Arthur Lira,...

STF julga lei de antenas de SP inconstitucional e abre espaço para 5G

Uma decisão do Supremo Tribunal Federal publicada ontem julgou inconstitucional a Lei de Antenas de São Paulo. A prefeitura e a câmara municipal recorreram...

Governadores ‘desistem’ de Pazuello para assumir a gestão da crise

Como já aconteceu em outras vezes ao longo dos últimos meses de pandemia da Covid-19, uma comitiva de 21 governadores foi a Brasília nesta...

Ministro pede aposentadoria ao vivo em sessão do STJ

O ministro do Superior Tribunal de Justiça Nefi Cordeiro, de 57 anos, pediu aposentadoria ao vivo durante a sessão de julgamentos desta terça-feira. “Pensei muito...