21.6 C
Brasil
domingo, junho 20, 2021
Início Brasil “Guru da cloroquina” de Bolsonaro, Arthur Weintraub entra na mira da CPI

“Guru da cloroquina” de Bolsonaro, Arthur Weintraub entra na mira da CPI

Em fevereiro de 2020, quando ainda não havia nenhuma morte confirmada por Covid-19 no Brasil e a epidemia ainda se restringia à China e Itália, o então assessor especial da Presidência Arthur Weintraub já atuava junto ao presidente Jair Bolsonaro em prol da cloroquina e hidroxicloroquina como solução “anti-globalista” para neutralizar a doença e evitar as medidas de isolamento social. 

Irmão do ex-ministro da Educação Abraham Weintraub, Arthur foi escalado desde o início para tratar sobre o tema dentro do Palácio do Planalto e diuturnamente abastecia o presidente com informações a respeito dos medicamentos. Depois de várias pesquisas a respeito de sua possível eficácia contra o coronavírus, passaram a ser desconsiderados por boa parte da comunidade científico. Arthur não se contentou com isso e passou a procurar pelo Brasil médicos dispostos a defender os remédios. Nasceria daí o grupo de milhares de médicos que até hoje defendem e pressionam pela adoção do chamado “tratamento precoce” junto a Bolsonaro, governos estaduais, prefeituras, redes hospilatalares e conselhos de medicina. 

A médica Nise Yamaguchi e o empresário bilionário Carlos Wizard acabaram aparecendo ao público como os principais cabeças desse movimento – a primeira como suporte científico, o segundo como braço financeiro. Arthur Weintraub era o principal articulador desse grupo e o que tinha mais acesso a Bolsonaro. Tanto que ele nunca chegou a discutir o assunto com os ministros da Saúde, já que despachava diretamente com o presidente. Do seu aconselhamento, saíam medidas práticas, como a isenção de impostos dada à hidroxicloroquina e cloroquina no início de 2020, e a tentativa de mudar a bula dos medicamentos por meio de decreto estadual.

Weintraub e o grupo de médicos ‘cloroquiners’ agora entraram na mira da CPI da Pandemia, que trabalha com a linha de investigação que existia um “gabinete paralelo” responsável por convencer Bolsonaro a levantar a bandeira do tratamento precoce em detrimento de medidas em prol da vacinação em massa e do isolamento social. Dois requerimentos que pedem a convocação de Weintraub e a quebra do seu sigilo fiscal devem ser apreciados nesta semana.

Senadores da CPI apontam que o autor do rascunho do decreto que mudaria a bula da cloroquina seria o tenente-médico Luciano Dias Azevedo, da Marinha, bastante ligado a Weintraub. Em evento no Planalto realizado em agosto de 2020, Azevedo fez um discurso de agradecimento à atuação do então assessor especial da Presidência por ter lhe “aberto as portas”. “Em fevereiro, ele nos procurou e conseguiu unir os grupos de médicos para pesquisar a doença, para aprender com colegas de outros países. (…) Arthur é especialista na área de neurociência, mas entende farmacologia como poucos”, declarou ele. Dois meses antes, Azevedo havia sido nomeado pelo então ministro da Educação, Abraham Weintraub, a um posto no Conselho Superior da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). 

“Os dois irmãos Weintraub sempre participaram de reuniões essenciais e têm um papel muito grande na linha ideológica do governo”, disse o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), autor dos pedidos e integrante da CPI. 

Com mestrado e doutorado em Direito e especialização em previdência e neurociência, Arthur Weintraub se viu habilitado para analisar estudos científicos relacionados à Covid-19. No governo, ele tinha o cargo nominal de “assessor-chefe adjunto da Assessoria Especial da Presidência”, que, nas palavras do seu amigo, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), possuía a seguinte atribuição: “Ficar antenado e abastecer o presidente de informações”. O posto também conferia acesso livre às reuniões mais importantes da Presidência e ao gabinete de Bolsonaro. Seguidor das teses “antiglobalistas” e olavistas, ele foi exonerado do cargo em setembro de 2020, mas ainda continua exercendo forte influência sobre o presidente, os filhos e os apoiadores bolsonaristas. 

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Milhares de manifestantes protestam contra Boslonaro na avenida Paulista

Um sem-número de manifestantes protesta na tarde deste sábado, 19, contra o presidente Jair Bolsonaro na avenida Paulista, centro de São Paulo. A manifestação...

Em campanha pelo STF, presidente do STJ recebe líderes evangélicos

Ainda sonhando com o STF, o presidente do STJ, ministro Humberto Martins, passou a semana recebendo líderes evangélicos no tribunal para poder ampliar sua...

Disputa de poder no Planalto trava articulação no Congresso

A disputa por poder no Planalto, que mobiliza o ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, a chefe da Secretaria de Governo, Flávia Arruda,...

Antigo partido de Bolsonaro abre as portas para Doria em 2022

Se o PSDB seguir Aécio Neves e fritar João Doria nas prévias do fim do ano, o tucano tem outra poderosa máquina partidária como...