21.3 C
Brasil
sábado, fevereiro 27, 2021
Início Brasil Manaus: polêmica sobre grupos prioritários e fura-filas paralisa vacinação

Manaus: polêmica sobre grupos prioritários e fura-filas paralisa vacinação

A vacinação contra a Covid-19 em Manaus foi paralisada temporariamente nesta quinta-feira, dia 21. Os governos estadual e municipal informaram que se trata de uma “parada técnica” para reavaliar quem tem prioridade dentro do grupo prioritário, tendo em vista que a quantidade de imunizantes enviada pelo governo federal é insuficiente.

Nos últimos dias, aumentaram as críticas feitas por médicos e enfermeiros que estão na linha de frente no atendimento de pacientes com Covid-19 e que estariam sendo preteridos por trabalhadores de cooperativa e recém-formados que têm ligações com políticos e empresários da região.

Um dos casos envolveu a vacinação das gêmeas Gabrielle Kirk Lins e Isabelle Kirk Lins, recém-formadas em medicina, que são da família de Nilton da Costa Lins Júnior, presidente da mantenedora da Universidade Nilton Lins, uma das maiores de Manaus. Além de força no âmbito econômico, o clã Lins também tem membros com carreira política. As gêmeas, que atuam há pouco tempo como servidoras da prefeitura de Manaus, tomaram a CoronaVac antes de médicos e enfermeiros de hospitais estaduais que estão em situação mais caótica, como Delphina Aziz e o 28 de Agosto. Dentro do terreno da Universidade Nilton Lins, há uma Unidade Básica de Saúde (UBS).

Também houve revolta pelo fato de boa parte das vacinas ter sido enviada para comunidades indígenas em detrimento dos profissionais de saúde que passaram apuros nos últimos dias com a colapso de oxigênio nos hospitais da capital.

Por exemplo, a cidade de São Gabriel da Cachoeira, na fronteira com a Colômbia, cuja população é de 46.000 habitantes, sendo a maioria de indígenas, recebeu apenas um pouco a menos de imunizantes (27.968) do que Manaus (40.072), que tem 2 milhões de moradores. Segundo interlocutores do governo estadual, a população indígena no Amazonas é maior que a de profissionais de saúde, o que provocou um descompasso na distribuição que não foi visto em outros locais.

Uma nota técnica do Ministério da Saúde enviada aos entes estaduais define como prioridade o atendimento da população indígena aldeada. Por essa orientação, a quantidade de vacinas disponível seria suficiente para imunizar praticamente todas essas comunidades, mas só 34% dos trabalhadores da saúde do estado.

Diante das críticas e do déficit de vacinas disponível aos profissionais do sistema de saúde, as secretarias estadual e municipal decidiram estabelecer que a prioridade será para aqueles trabalhadores que estão mais expostos ao novo coronavírus. Para isso, as unidades hospitalares devem enviar uma lista com o nome e o setor onde cada um trabalha. A expectativa é que a vacinação seja retomada nesta sexta-feira, dia 22.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Toffoli impede uso de ‘legitima defesa da honra’ em processos criminais

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu uma decisão liminar nesta sexta-feira que impede o uso da tese da “legítima defesa da honra”...

Pandemia de confusão

A pandemia do coronavírus produziu um impacto catastrófico na normalidade e regularidade da vida social, econômica, política e, principalmente, nas estruturas da saúde pública...

Ações do Padre Júlio Lancellotti podem virar lei nacional

O uso de técnicas de arquitetura hostil em áreas públicas é prática recorrente de diversos gestores para marginalizar ainda mais as pessoas em situação...

Para OAB, investigação do STJ contra procuradores da Lava-Jato é legal

O  inquérito aberto pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) para investigar procuradores da Lava-Jato ganhou o apoio do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz. Para ele, a...