20.2 C
Brasil
terça-feira, abril 20, 2021
Início Brasil Marco Aurélio manda Câmara votar abertura de processo contra Bolsonaro

Marco Aurélio manda Câmara votar abertura de processo contra Bolsonaro

Em janeiro, o governador do Maranhão, Flávio Dino, apresentou ao STF uma queixa-crime contra o presidente Jair Bolsonaro pelo crime de calúnia. O governador citou na peça declarações de Bolsonaro, numa entrevista à rádio Jovem Pan, em que o presidente afirma que Dino teria negado pedido do Gabinete de Segurança Institucional para que a Polícia Militar maranhense garantisse a segurança presidencial durante uma visita ao estado em 2020.

“A mentira pode ser usada deliberadamente no debate político? O Presidente da República, com suas elevadas atribuições, pode costumeiramente mentir?”, indagou Dino no documento.

O caso caiu na relatoria do decano do STF, ministro Marco Aurélio Mello, que entendeu ser correto encaminhar a queixa-crime diretamente à análise da Câmara dos Deputados.

“A temática relacionada ao exame de queixa-crime em face do presidente da República encontra regência nos artigos 51, inciso I, e 86, cabeça e § 1º, inciso I, da Constituição Federal: ‘Artigo 51. Compete privativamente à Câmara dos Deputados: I – autorizar, por dois terços de seus membros, a instauração de processo contra o Presidente e o Vice-Presidente da República e os Ministros de Estado”, escreve o decano.

“Admitida a acusação contra o presidente da República, por dois terços da Câmara dos Deputados, será ele submetido a julgamento perante o Supremo Tribunal Federal, nas infrações penais comuns, ou perante o Senado Federal, nos crimes de responsabilidade. § 1º O Presidente ficará suspenso de suas funções: I – nas infrações penais comuns, se recebida a denúncia ou queixa-crime pelo Supremo Tribunal Federal”, segue Marco Aurélio.

O ministro entendeu que, por se tratar crime cometido contra a honra, no caso, calúnia, cabe ao próprio ofendido produzir a queixa-crime, que equivale a uma denúncia — nos moldes das medidas adotadas pela PGR contra Michel Temer, por exemplo –. Se a Câmara autorizar, o presidente vira alvo de uma ação penal no STF.

A decisão de Marco Aurélio é do dia 12 de fevereiro. “Somente após autorização da Câmara dos Deputados é adequado
dar sequência à persecução penal no âmbito do tribunal. Deem ciência à Câmara dos Deputados quanto à formalização da queixa-crime, a teor do artigo 51, inciso I, da Constituição Federal”, diz o decano.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Processos de Witzel sofrem debandada de advogados de defesa

Após sucessivas derrotas — a última delas foi um pedido para suspender o impeachment negado pelo ministro Alexandre de Moraes — os advogados que...

Caso Henry: Polícia Civil do Rio deve encerrar inquérito nesta semana

A Polícia Civil do Rio de Janeiro não definiu, ainda, se vai ouvir Monique Medeiros, de 33 anos, mãe do menino Henry Borel, de...

Governo abre segundo edital de parceria privada para atuação em Alcântara

A Agência Espacial Brasileira (AEB) publicou na última sexta-feira o segundo chamamento público e tem a expectativa de atrair grupos internacionais e nacionais, que...

A aposta da Embrapa para impulsionar o agro

A Embrapa começa a executar nos próximos dias o maior levantamento já realizado sobre as características do solo brasileiro. A plataforma tecnológica s ser utilizada...