21.6 C
Brasil
domingo, junho 20, 2021
Início Brasil Médico brasileiro retorna ao país após Egito revogar detenção por assédio

Médico brasileiro retorna ao país após Egito revogar detenção por assédio

O médico gaúcho Victor Sorrentino, preso no Egito sob acusação de ofensa sexual, retornou ao Brasil neste domingo, 6, “após prestar todos os esclarecimentos solicitados e ser liberado pelas Autoridades Egípcias”, conforme nota divulgada por sua assessoria. O retorno acontece dois dias depois de o médico aparecer em um vídeo se desculpando com a vítima da “piada” de cunho sexual que o levou a ficar retido no país. Segundo os representantes de Sorrentino, “a prioridade [dele] é o reencontro com a família e, oportunamente, [ele] vai se manifestar publicamente sobre o ocorrido”.

No dia 24 de maio, Sorrentino publicou um vídeo em seu perfil no Instagram, com quase 1 milhão de seguidores, em que aparece fazendo o que considera ser uma “piada”, com trocadilhos de cunho sexual, com uma mulher muçulmana que tentava lhe vender um papiro durante viagem ao Egito. O médico pergunta a ela em português: “Vocês gostam mesmo é do bem duro, né?”. E reafirma “e comprido também fica legal, né?”. A vendedora, que não entende a língua, acaba respondendo “sim” em meio a risadas dele e dos amigos.

O vídeo viralizou no Egito depois que o ativista Antonio Isuperio publicou uma versão legendada na sua rede social, depois de ser procurado por Fabio Iorio. Os dois passaram a divulgar a publicação entre os seus contatos até chegarem à Speakup, uma rede de feministas egípcias, que espalhou o vídeo pelo país. No dia 30 de maio, o Ministério do Interior egípcio informou que prendeu um estrangeiro, sem citar nomes, após “assédio a uma mulher, depois de ele publicar um vídeo com imagens do incidente em uma rede social onde os serviços de segurança conseguiram identificar a vítima e o autor”.

Desde então, o médico estava sob a custódia do Ministério Público do Egito, que o mantinha detido para investigações em um prédio do órgão, impedido de sair do país. Antes de ser detido, ele voltou à loja e gravou um vídeo dizendo que tudo não passava de “uma brincadeira brasileira”. Na quarta-feira, 3, a família divulgou uma carta aberta em árabe e inglês em que pedem desculpas pelo ocorrido, com assinaturas dos pais, irmãos e da esposa do médico. Na sexta-feira, 4, Victor voltou a usar as redes sociais para falar sobre o caso. Ele publicou um vídeo em que aparece ao lado da vendedora pedindo desculpas pelo assédio. “Eu represento as mulheres egípcias e o povo egípcio, somos um povo hospitaleiro e carinhoso que recebe visitante de todas as partes do mundo e é suficiente para mim que ele peça desculpas então vou aceitar suas desculpas”, disse ela.

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Milhares de manifestantes protestam contra Boslonaro na avenida Paulista

Um sem-número de manifestantes protesta na tarde deste sábado, 19, contra o presidente Jair Bolsonaro na avenida Paulista, centro de São Paulo. A manifestação...

Em campanha pelo STF, presidente do STJ recebe líderes evangélicos

Ainda sonhando com o STF, o presidente do STJ, ministro Humberto Martins, passou a semana recebendo líderes evangélicos no tribunal para poder ampliar sua...

Disputa de poder no Planalto trava articulação no Congresso

A disputa por poder no Planalto, que mobiliza o ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, a chefe da Secretaria de Governo, Flávia Arruda,...

Antigo partido de Bolsonaro abre as portas para Doria em 2022

Se o PSDB seguir Aécio Neves e fritar João Doria nas prévias do fim do ano, o tucano tem outra poderosa máquina partidária como...