25.5 C
Brasil
sexta-feira, maio 14, 2021
Início Brasil MPF investiga denúncias de assédio moral contra presidente da Funasa

MPF investiga denúncias de assédio moral contra presidente da Funasa

Depois de o Radar revelar acusações de assédio moral de um servidor contra o presidente da Fundação Nacional de Saúde, Giovanne Gomes da Silva, no mês passado, uma nova leva de denúncias do tipo chegou ao MPF no Distrito Federal. O órgão abriu uma investigação sigilosa para apurar os fatos.

Há duas semanas, cinco funcionários da fundação — cujos nomes não serão revelados — protocolaram um documento no sistema do MPF com um “pedido de socorro” por enfrentarem “uma situação-limite de assédio moral e de reiteradas ilegalidades praticadas pelo presidente da Funasa”. “Quem ousa divergir é perseguido!”, escreveram os “servidores indignados”, como assinam na manifestação.

No dia 10 de março, o então coordenador de Execução Orçamentária da Funasa, Thiago Vieira, pediu exoneração do cargo e de outras duas funções de direção que acumulava provisoriamente por discordar da forma de atuação do chefe da repartição, a quem acusou de perseguir e assediar moralmente no trabalho.

Segundo Vieira, “constantes interferências” do presidente do órgão nos assuntos da direção da Funasa geraram “esgotamento físico e mental” e tornaram “o ambiente de trabalho bastante tóxico”. O servidor acusa o presidente da Funasa de desrespeitar “regras elementares de urbanidade e liderança”, o que, na visão dele, configuraria “assédio moral” previsto na cartilha do CNMP.

Na ocasião, a assessoria da Funasa informou que o presidente Giovanne “tem desempenhado o seu devido papel em relação a adoção de todas as medidas austeras para dar funcionalidade à Fundação, com vistas ao cumprimento de determinações emitidas pelos órgãos de controle (TCU/CGU), devido às inúmeras irregularidades apontadas, inclusive com o fortalecimento das estruturas ligadas às atividades de corregedoria, núcleo de gestão de integridade, ouvidoria, comitê de governança, planejamento estratégico e estabelecimento de metas, com a finalidade de fazer reais entregas para a população brasileira”.

Na manifestação dos servidores, apresentada quase um mês depois desse primeiro caso, as acusações se agravaram. O documento aponta que Giovanne teria contrariado um decreto presidencial e realizado mudanças na corregedoria do órgão de modo utilizar o órgão “para perseguir servidores”. Para isso, exonerou o antigo corregedor, servidor de carreira, e teria indicado uma pessoa de sua “estrita confiança”. A situação caracterizaria, segundo a denúncia ao MPF, improbidade administrativa.

Para ilustrar o “clima de medo” e humilhação, eles apontam que dois diretores do órgão pediram demissão nos últimos meses. Três servidoras que estão há mais de 20 anos na Funasa acusam o presidente da autarquia, que era coronel da Polícia Militar de Minas Gerais até assumir o posto em Brasília em junho do ano passado, de ameaçá-las com sua condição de ex-policial, “inclusive afirmando que monta dossiês para destruir as pessoas”.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Pazuello não poderá omitir nomes nem proteger condutas de terceiros na CPI

Na decisão em que concede o direito ao silêncio ao ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, o ministro Ricardo Lewandowski deixa o general na chuva...

Lewandowski concede habeas corpus e Pazuello poderá se calar na CPI

O ministro Ricardo Lewandowski concedeu há pouco habeas corpus para que o ex-ministro da Saúde possa evitar responder a perguntas que o incriminem na...

Cotado para 2022, ministro de Bolsonaro se compara a Rogério Ceni

Torcedor fanático do Flamengo, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, deu agora para comparar seu trabalho no governo ao do técnico Rogério Ceni...

Deputada apresenta texto final sobre educação em casa

A deputada Luísa Canziani (PTB-PR) apresentou nesta sexta o relatório final do projeto de lei que viabiliza a chamada educação básica domiciliar, modelo pelo...