22.4 C
Brasil
segunda-feira, março 1, 2021
Início Brasil Mundo depois da pandemia exigirá muito investimento em ciência

Mundo depois da pandemia exigirá muito investimento em ciência

O Brasil está fazendo testes sobre a variante do coronavírus de Manaus apenas “in vitro”. Isso significa que o sangue de uma pessoa vacinada é comparado com a resposta à nova variante. Entretanto, o país tem condições de fazer a pesquisa “in vivo”. Ou seja, pegar as pessoas que estão desenvolvendo Covid-19, foram vacinadas e tentar descobrir qual é a variante.

“Isso exige esforço, sequenciamento do genoma, mas o Brasil tem condições de fazer”, segundo a economista Monica de Bolle, pesquisadora do Peterson Institute e diretora do Programa de Estudos Latino-americanos da Universidade de Johns Hopkins, nos Estados Unidos.

E como será o mundo pós-Covid-19? Monica explica que a pandemia aguda vai acabar. Contudo, isso não significa que o mundo deixará de enfrentar uma pandemia crônica. O motivo? O vírus da Covid-19 não vai desaparecer.

“Nenhuma dessas vacinas é capaz de erradicá-lo porque essas vacinas não protegem contra a infecção. Elas só protegem contra a doença. O vírus continua tendo a capacidade de se replicar e, nessa capacidade de se replicar, enquanto aparecerem mutações aleatórias, algumas das quais vão conferir vantagens ao vírus, a gente vai ter o surgimento inevitável de novas variantes”, explica

Segundo ela, teremos uma espécie de corrida entre a atualização das vacinas e o aparecimento dessas novas variantes e é nesse cenário que o mundo inevitavelmente estará.

Isso não nos levará imediatamente à normalidade porque o mundo entrará numa fase em que a ciência continuará pesquisando para encontrar respostas para essas novas variantes.

“O vírus não vai desaparecer. As vacinas protegem contra a doença. O que a gente está enfrentando não é uma corrida de 100 metros, é uma maratona”, diz Monica de Bolle. Por isso, o investimento em ciência continuará sendo cada vez mais importante. Leia abaixo os principais trechos da entrevista com a economista:

Veja – As vacinas estão sendo testadas no Brasil para a variante de Manaus ou não temos esse controle ainda, não dá pra saber?

Monica de Bolle – Feito está sendo. Laboratórios Brasil afora com capacidade de sequenciamento e identificação das variantes e, ao mesmo tempo, capacidade de fazer avaliação não só de pessoas potencialmente infectadas com a variante de Manaus. Para isso, você precisa de sequenciamento para saber com que variantes elas foram infectadas e como é que a vacina está reagindo, mas também para fazer a avaliação  in vitro – porque tem as duas maneiras de você fazer, a avaliação in vitro e a avaliação in vivo. Para as vacinas da Pfizer e da Moderna, por exemplo, quando elas testaram a eficácia perante todas as novas variantes, as variantes de interesse,   a avaliação que eles fizeram foi in vitro. O que eles fizeram foi pegar sangue das pessoas que haviam sido vacinadas e comparar a resposta com a nova variante e as variantes anteriores. Para cada uma das variantes, sem contar Manaus – eles não fizeram isso pra Manaus – foi in vitro, não foi in vivo. Já com Johnson & Johnson e com a Astrazeneca, também. Embora os resultados tenham sido extremamente parciais e não dê pra confiar neles ainda, esses resultados foram todos in vivo, foram com pessoas que haviam sido vacinadas que pegaram a variante da África do Sul, aí eles avaliaram a eficácia. Então, a Johnson & Johnson, naquela queda de eficácia de 66 para 57, foi porque eles desenharam um estudo específico para a variante da África do Sul, com gente, com pessoas. No Brasil, no momento, dadas as dificuldades todas que a gente tem, eu acho que estão sendo feitos dois trabalhos. Tem o trabalho in vitro, que é essencialmente você pegar a mesma coisa, pega o sangue das pessoas que foram vacinadas com a CoronaVac, com Astrazeneca, expõe o sangue vacinado à variante de Manaus e às variantes que estão circulando, e analisa a resposta imunogênica, resposta em termos de anticorpos neutralizantes e como eles se comportam, como fizeram a Pfizer e a Moderna.

Continua após a publicidade

Veja – Mas isso está acontecendo então?

Monica de Bolle – Isso está acontecendo. A outra parte que é mais difícil de se fazer no Brasil é a avaliação in vivo. É pegar as pessoas que estão desenvolvendo a Covid, foram vacinadas, tentar descobrir qual é a variante que elas têm porque isso exige um esforço de sequenciamento enorme. E a partir daí, tirar conclusões semelhantes às que Johnson & Johnson e a Astrazeneca e as outras, em alguma medida, conseguiram ter. Essa parte é mais difícil no Brasil. Tem essa diferença. O que a gente preferia saber sinceramente é in vivo, é nas pessoas. Porque in vitro às vezes pode te dar um resultado muito diferente de quando a vacina está dentro do corpo da pessoa. Agora, isso no Brasil vai ser um esforço grande. Vai demorar para ter esses resultados in vivo. Os resultados in vitro a gente até pode ter mais rapidamente e têm grupos trabalhando nisso. Agora, os resultados in vivo vão ser bem mais difíceis porque eles exigem uma capacidade de coleta e sequenciamento, que hoje a gente está tendo dificuldade de fazer.

Veja – E aquela notícia da África do Sul em relação à Astrazeneca. Dado que o Brasil só tem duas vacinas e tem essa grande esperança na da Oxford, o que esse estudo na África do Sul indica que a gente deva fazer por aqui na sua avaliação?

Monica de Bolle – Ele indica muito pouco porque esse estudo que saiu para Astrazeneca lá na verdade é um recorte do ensaio clínico da Astrazeneca na África do Sul, então ele não é exatamente um estudo novo.  Ele é um recorte que examinou um pouco mais de 740 voluntários, divididos em dois grupos, então foram mais ou menos 1.400 voluntários do grupo placebo e do grupo vacinado. O que eles olharam foi desse grupo, quantas pessoas haviam se infectado com a variante da África do Sul. Eles fizeram um sequenciamento para identificar exatamente com que variante a pessoa estava infectada. E dali, eles extraíram um grupo muito pequeno, de 39 pessoas infectadas com a variante da África do Sul. Eles olharam os números para ver quem estava no grupo placebo e quem estava no grupo da vacina. No grupo placebo você tinha 20 pessoas infectadas com a variante e no grupo vacinado você tinha 19 pessoas infectadas. A partir daí,  chegou-se a essa conclusão de que ‘opa, tem um problema, a vacina é pouco eficaz’.  Porém tem várias ressalvas aqui. Primeira ressalva: não foi um ensaio clínico desenhado para olhar especificamente a eficácia da vacina contra a variante da África do Sul. Número 01. Número 02: é uma amostra mínima. São 39 pessoas só. Número 03: o intervalo de confiança é enorme. Assim, o resultado não foi estatisticamente significativo. Então, na realidade, esse resultado divulgado ontem [domingo] tem que ser tomado com muito cuidado porque ele não revelou quase nada. O que ele indica  é que a vacina da Astrazeneca, assim como outras vacinas, tem uma resposta pior quando confrontada com a variante da África do Sul. Agora, quão pior com esse estudo daí não dá pra saber.

Veja – Então o recomendável seria fazer um estudo maior?

Monica de Bolle – Eles precisam fazer uma coisa muito maior e focada na identificação da eficácia para essa variante em particular. Eles não fizeram isso. Esse é um resultado extremamente parcial, e que alguns cientistas estrangeiros inclusive que tinham falado isso no Twitter até retiraram o que tinham dito porque não dá para dizer nada. A partir desse estudo não dá para dizer nada. A não ser isso, que uma coisa que já é constatada para todas as vacinas, que a variante VOC da África do Sul, ela tem uma capacidade de redução da eficácia dessas vacinas todas e se especula que a razão para isso sejam as mutações que essa variante tem, que permitem alguma evasão imune, algum escape imunológico. A partir disso, o que a gente pode mais ou menos dizer, mas sem nenhuma segurança ainda, é absolutamente especulativo, é que como a variante de Manaus, a P.1,  tem mutações semelhantes às mutações da VOC da África do Sul, talvez, isso é especulativo, mas  é possível que para as vacinas ela tenha uma espécie quadro parecido. Mas a gente ainda está aguardando a confirmação disso. A gente ainda não tem confirmação disso.

Veja – Como especialista, como você vê a questão desse pesadelo que a gente está passando? Ele está mais próximo do fim ou não estamos?

Monica de Bolle – O que é o fim? Eu acho que tem uma visão que as pessoas temem a se agarrar nela de que o fim é: a pandemia vai acabar. A pandemia aguda vai acabar. Agora, isso não significa que a gente não vai enfrentar um cenário de pandemia crônica porque esse vírus não vai desaparecer. Nenhuma dessas vacinas é capaz de erradicá-lo porque essas vacinas não protegem contra a infecção. Elas só protegem contra a doença. Então, o vírus continua tendo a capacidade de se replicar e nessa capacidade de se replicar, enquanto aparecerem mutações aleatórias, algumas das quais vão conferir vantagens ao vírus, a gente vai ter o surgimento inevitável de novas VOCs, isso vai acontecer. E aí a gente vai ter uma espécie de corrida entre a atualização das vacinas e o aparecimento dessas novas VOCs. É nesse cenário que a gente inevitavelmente vai estar. É um cenário mais controlado do que o cenário que a gente tem até agora porque era um cenário sem vacina. Nós teremos vacinas. O ponto é que  as vacinas provavelmente serão, em alguns casos, menos eficazes, então elas vão precisar ser atualizadas. A gente vai estar nessa corrida constante aí.

Veja – É uma maratona, né…

Monica de Bolle – É exatamente uma maratona.  A maneira de encarar o problema, esse problema que a gente está atravessando, que a gente está vivendo, é uma maratona, não é uma corrida de 100 metros rasos. Não é algo assim que acaba rápido, é realmente uma maratona e tem que ter aquele esforço e aquela paciência porque é longo o processo.  Para que as pessoas consigam entender, se tudo ocorrer bem com as vacinas agora, campanha de vacinação andar bem e tal,  não é um cenário que as pessoas vão ter que ficar trancadas dentro de casa para o resto da vida não. É um cenário em que sim, você pode ter alguma abertura da economia, alguma normalização da vida, enfim, uma porção de coisas.  Em algum momento a gente vai poder voltar às aulas – eu sei que esse assunto no momento está super controvertido no Brasil, principalmente com a circulação dessas variantes sem a gente saber o que elas fazem, voltar às aulas é complexo. Mas em algum momento a gente vai poder fazer tudo isso com segurança. Agora, a gente vai viver sem susto? Não, a gente não vai viver sem susto. E uma das coisas que o mundo inteiro, aí não é só o Brasil, precisa urgentemente fazer – isso está sendo discutido em círculos científicos diversos –  é investir muito em vigilância genômica porque a gente tem que ter uma capacidade muito maior do que a gente tem hoje  de identificar essas variantes e de saber rastrea-las. Onde é que elas estão aparecendo e para onde elas estão migrando, se elas são de fato variantes do vírus que vão tender a se tornar dominantes para avaliar o que fazer com as vacinas. Gostaria de poder te dizer outra coisa, mas a real é que essa. Acho que o quanto antes as pessoas perceberem que é dessa forma que as coisas vão funcionar melhor, até para elas poderem se adaptar a isso e sair desse pensamento quase mágico de que a pandemia tem data pra acabar. A pandemia não tem data pra acabar. É super importante que as pessoas se conscientizem disso. A vacinação não é uma bala de prata que acaba com o vírus. Não é.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Eduardo Leite liderou a reação de governadores contra Bolsonaro

Neste domingo, dia 28, com o objetivo de se defender de críticas na gestão da pandemia, Jair Bolsonaro publicou um post com valores remetidos...

Bolsonaro ‘está matando’ os brasileiros na pandemia, diz Eduardo Leite

Em uma entrevista no fim da tarde desta segunda, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, bateu pesado em Jair Bolsonaro e...

STJ adia julgamento de ações de Flávio Bolsonaro no caso ‘rachadinha’

Os dois recursos da defesa do senador Flávio Bolsonaro contra as investigações do caso das “rachadinhas” que seriam julgados nesta terça-feira foram retirados da...

Covid: Brasil nunca fez o mínimo de isolamento social para deter o vírus

Em meio ao recrudescimento da pandemia da Covid-19 em todo o país, governadores têm defendido que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, fixe regras...