23.7 C
Brasil
sexta-feira, abril 23, 2021
Início Brasil Pacheco vira esperança do empresariado na travessia da pandemia

Pacheco vira esperança do empresariado na travessia da pandemia

Desde que foi eleito presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco tem enfrentado a desconfiança de quem acredita que ele, no cargo, será um fiel aliado de Jair Bolsonaro. Um apoiador que fechará os olhos para os erros do Planalto e submeterá o Legislativo ao terrível papel de carimbador de assuntos de interesse do bolsonarismo.

No primeiro mês como chefe do Legislativo, o senador mineiro mostrou que a conversa não será assim. Pacheco cultiva boas relações com Bolsonaro, é verdade, mas nada que avance o papel institucional que lhe confere o cargo.

No teste de fogo das vacinas, desprezadas por Bolsonaro, o senador entregou a relatoria do texto que facilitava o processo de aquisição de imunizantes ao senador Randolfe Rodrigues, da oposição. Depois, chamou Flávio Bolsonaro para se juntar ao trabalho de articulação junto ao Ministério da Saúde. Equilibrou-se de forma política, como deve ser o trabalho do chefe do poder.

Nos últimos dias, quando Bolsonaro saiu em nova campanha contra governadores, para tentar dividir o desgaste das falhas de gestão do governo na pandemia, Pacheco atuo novamente para manter o foco da política na pauta do Congresso.

Pacheco conversou discretamente com vários governadores. Como o presidente gosta do confronto, Pacheco aconselhou a turma a não morder a isca. Brigar com Bolsonaro, na visão de Pacheco, só retardará a votação de temas importantes para o país. O melhor manter o foco nas medidas que agilizam a vacinação e a recuperação econômica, sem deixar de fazer o que é necessário.

Continua após a publicidade

Nesta quinta, o presidente do Congresso deu seu recado. Sem citar Bolsonaro, cobrou “exemplo” dos homens públicos no enfrentamento ao coronavírus: “Algo que me chamou a atenção nessa audiência foi a fala do secretário-executivo do Ministério da Saúde em relação ao que precisa ser feito na pandemia: uso de máscara, higienização das mãos, o distanciamento social. Isso são exemplos, exemplos que nós esperamos que os homens públicos desse país tenham e deem para a população brasileira, que já está plenamente consciente do que precisa ser feito”.

Não que Pacheco acredite que Bolsonaro entenderá a mensagem e passe a usar máscaras, mas ela foi dita para ser lida como sinal de independência e foco do Legislativo no que importa.

Essa postura mostra que a gestão de Pacheco será marcada pelo equilibrismo. Ao focar no que importa, em determinado momento o chefe do Congresso entrará em choque com Bolsonaro. A esperança do empresariado e de figuras importantes da política é de que Pacheco saiba “tourear” o presidente de modo impedir que a pauta do Parlamento seja tumultuada por brigas desnecessárias como as vistas nos dois primeiros anos de governo.

Numa reunião virtual nesta semana, o empresário Abílio Diniz, na frente de dezenas de colegas, colocou uma gentil pressão no chefe do Congresso: “Você representa uma esperança ao país”, disse a Pacheco.

Pacheco e também o chefe da Câmara, Arthur Lira, estão fazendo a duras penas o trabalho de acelerar a vacinação no país. Algo que Bolsonaro poderia resolver numa canetada, mas se recusa. Essa rotina será constante em outros temas até o fim de 2022.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Os potenciais alvos da delação-bomba no Congresso

Em outra frente inflamável na PGR, um ex-assessor parlamentar e agora delator promete arrastar uma parte da bancada de Minas Gerais no Congresso para...

Plasfer: como aplicar sustentabilidade na empresa

O conceito de sustentabilidade está muito disseminado no mundo atual, a tendência é aderir e manter o natural. A empresa Plasfer Healthcare...

Apesar do STF, Moro define partido e marca prazo para decidir sobre 2022

Depois de ter a biografia de juiz implacável com corruptos sepultada pelo STF, Sergio Moro terá uma dura decisão a tomar: entrar ou não...

CNJ participa de audiência na Corte Interamericana de Direitos Humanos

O Conselho Nacional de Justiça foi convidado a participar de audiência pública de supervisão de sentença no caso Ximenes Lopes vs. Brasil, marcado para...