21.9 C
Brasil
segunda-feira, março 8, 2021
Início Brasil Sem aval da Anvisa, governo conta com vacinas indiana e russa para...

Sem aval da Anvisa, governo conta com vacinas indiana e russa para março

Pressionado pela possibilidade de “apagão” na vacinação contra a Covid-19 por falta de doses disponíveis, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, entregou um novo cronograma a governadores e prefeitos, prevendo a chegada dos próximos lotes dos imunizantes contratados pelo governo federal. Na planilha, além das vacinas do Butantan e de Oxford, constam a entrega de remessas de duas que ainda não tiveram o uso autorizado pelo Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa): a Sputnik V, da Rússia, e a Covaxin, da Índia.

Segundo o documento, 400.000 doses da Sputnik devem chegar em março e mais 8,6 milhões até 31 maio. Da Covaxin, é esperada a vinda de 8 milhões de doses até março e mais 12 milhões em maio. Mesmo ainda sem a aprovação da agência, o Ministério da Saúde já publicou no Diário Oficial da União os extratos de dispensa de licitação para a compra das duas vacinas no valor de 2,3 bilhões de reais.

Em relação ao imunizante do Butantan, é planejada a remessa de um lote de 3,8 milhões até 28 de fevereiro e 14,7 milhões em março. Da vacina de Oxford, 2 milhões de doses até 28 de fevereiro e 4 milhões de unidades até 31 de março — estas duas já têm o aval da Anvisa para o uso emergencial.

Com base nesse novo calendário, que levou em conta o atraso na chegada dos insumos, Pazuello alterou o planejamento inicial, liberando os prefeitos a utilizarem as doses reservadas à segunda dose para ampliar a quantidade de população vacinada. Sem uma estrutura adequada de saúde, cidades do interior têm sofrido com uma alta significativa nos casos de Covid-19 e pressionado as redes hospitalares das capitais.

Em função da escassez das vacinas, algumas capitais, como Salvador, Rio de Janeiro e Cuiabá, chegaram a anunciar a paralisação ou a restrição da campanha na última semana. “O ministro nos falou que essa situação deve ser regularizada do dia 24 a 28 de fevereiro”, disse o presidente da Frente Nacional de Prefeitos, Jonas Donizette, que tem reunindo todo mês com o ministro da Saúde.

O documento entregue às autoridades municipais e estaduais também incluiu as vacinas da Pfizer, dos Estados Unidos, e da Janssen, da Bélgica, com um asterisco de que a contratação tem “óbices jurídicos” e “extrapolam a capacidade” do Ministério da Saúde em avançar com as negociações. Segundo o documento, a chegada das doses desses laboratórios estão para previstas para a partir de julho.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Na pandemia, Coaf fez relatórios sobre 674 mil alvos

A pandemia não impediu o Conselho de Controle de Atividades Financeiras de ampliar seu trabalho de investigação de casos de lavagem de dinheiro. Pelo...

Líderes do Parlamento mostram preocupação com ação de governadores

Na edição de VEJA que está nas bancas, o Radar mostra o plano desenhado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira, para criar uma comissão...

País precisa ‘alinhar estratégias’ de combate o vírus, diz Eduardo Leite

Governador do Rio Grande do Sul, um dos estados mais castigados pelo agravamento da pandemia, Eduardo Leite diz ao Radar que o movimento dos...

‘Brasil não pode caminhar para colapso hospitalar absoluto’, diz Dino

Um dos articuladores da frente de governadores que se forma nesta segunda para tentar combater de modo estratégico o avanço do coronavírus em todo...