23.4 C
Brasil
quinta-feira, março 4, 2021
Início Brasil Sem direito ao esquecimento

Sem direito ao esquecimento

Aída Curi era ingênua – na plena acepção da palavra. Ingênua a ponto de não perceber que estava sendo conduzida para uma cilada que lhe custaria a vida naquela tarde de 14 de julho de 1958 em Copacabana. Tendo passado a maior parte da juventude internada em um educandário, ela cometeu o erro de aceitar o convite do playboy Ronaldo Castro para ver a linda vista da praia do alto de uma cobertura. Sem que ela soubesse, dois sujeitos estavam à espreita no luxuoso apartamento: um menor de idade, amigo de Ronaldo, e o porteiro do prédio. Os três espancaram e violentaram a moça e, para impedir que ela viesse a dar queixa, a jogaram do 12° andar na calçada da avenida Atlântica. Talvez ela já estivesse morta quando chegou ao chão, mas, se não estava, a queda tratou de tirar o último suspiro de seu corpo.

 

Continua após a publicidade

O caso de Aída Curi teve repercussão nacional, principalmente porque o julgamento, como acontece recorrentemente no Brasil, derivou de tal forma a favor dos assassinos que, a certa altura, parecia que a jovem é que era a culpada pelo ocorrido. Ronaldo Castro pegou uma pena leve de prisão, o cúmplice menor de idade foi recolhido a uma instituição e o porteiro tratou de desaparecer antes de ser julgado em todas as instâncias cabíveis.

 

Continua após a publicidade

O nome de Aída, que teve a vida ceifada em tão tenra idade, voltaria às manchetes em 2004 e, uma vez mais, na quinta-feira passada: em ambos os casos, por um outro motivo que não o assassinato em si. Dezessete anos atrás, a TV Globo, em seu extinto programa Linha Direta − Justiça reencenou o crime quase cinquenta anos depois de ele ter ocorrido e, por causa disso, foi processada pela família de Aída Curi sob o princípio de proteção do direito personalíssimo da vítima e o direito ao esquecimento. A emissora teria usado imagens da jovem sem autorização e, além disso, estaria trazendo sofrimento aos familiares ao reacender o interesse pelo caso.

 

Continua após a publicidade

Por 9 votos a 1 (o ministro Luís Roberto Barroso declarou-se impedido de votar), o Supremo Tribunal Federal deu ganho de causa à TV Globo e, ao fazer isso, criou uma jurisprudência que vai encerrar processos similares que pairam na Justiça e impedir que outros venham a atulhar ainda mais o sistema judiciário brasileiro. Na prática, o STF colocou freios no direito ao esquecimento, tese que abriria brecha até para que ex-condenados, tendo cumprido pena por seus crimes, exigissem silêncio da imprensa se ela tentasse revisitar casos passados. Mesmo links de notícias antigas na internet poderiam ser eventualmente bloqueados se o princípio prosperasse. O STF interpretou que o direito ao esquecimento é uma forma de censura e que, portanto, afronta a constituição. Assim sendo, se os fatos não forem distorcidos, a parte interessada ou os familiares da parte interessada não podem impedir a divulgação de acontecimentos amplamente noticiados. E, mesmo que esses fatos tenham sido deturpados de alguma forma, não cabe à Justiça proibir a veiculação deles, mas apenas julgar, à luz da lei, se a parte que se sente prejudicada merece reparação sob alegação de calúnia, injúria ou difamação.

 

Continua após a publicidade

A decisão do STF pode ter ajudado a desatar um nó jurídico que nem mesmo os europeus foram capazes de desfazer. Em 2014, a Comunidade Europeia aprovou uma lei que garante, pelo menos até certo ponto, o direito ao esquecimento. Talvez pelo fato de ter sido palco de duas guerras mundiais, do holocausto judeu e do holodomor ucraniano, além de uma série de atentados terroristas perpetrados até poucas décadas atrás por organizações como IRA (exército republicano irlandês) e ETA (grupo separatista basco), a Europa veja com mais reservas as revisitas a delicados eventos do passado. Acontece que a lei europeia de direito ao esquecimento apresenta tantas exceções – como a garantia da liberdade de imprensa – que, na prática, seu escopo de uso é bastante restrito.

 

Continua após a publicidade

Um caso específico ocorrido na Polônia há alguns dias chamou a atenção por envolver um processo contra dois historiadores que citam, em um livro sobre o holocausto, um cidadão que teria sido colaborador dos nazistas no extermínio de judeus poloneses na Segunda Guerra. Os autores foram obrigados a ressarcir os familiares da pessoa em questão sob a alegação de que ela foi difamada após a morte, pois nunca teria colaborado com os alemães. Analistas se dividem quanto à decisão da corte polonesa neste caso. Se por um lado os escritores poderiam estar sendo vítimas de censura, por outro a família teria o direito de proteger seu patriarca, cuja memória estaria sendo vilipendiada.

 

Continua após a publicidade

Seja como for, tanto no Brasil quanto na Europa, é fundamental que o direito ao esquecimento não seja usado indiscriminadamente como uma forma de cercear o direito de livre pensar e de livre se expressar, e muito menos como arma para atacar a liberdade de imprensa. O “direito ao esquecimento” parece uma bela expressão de três palavras. Porém, ela perde toda a beleza quando é manipulada para amarrar os meios de comunicação. Se o STF tivesse entendido de outra forma o caso julgado em plenário na última quinta, talvez o Brasil passasse a ter assassinos, estupradores e políticos corruptos exigindo o bloqueio de links na internet relacionados a crimes cometidos por eles no passado. E, às vezes, em um passado nem tão distante.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

‘A gente volta a sorrir quando você sair’, diz Maia a Bolsonaro

Para tirar o foco do noticiário da mansão do filho Zero Um, o presidente Jair Bolsonaro voltou a radicalizar nas declarações sobre a pandemia...

Witzel pede ao STF que afastamento do cargo não passe de 180 dias

O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, entrou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que o afastamento do governador do estado,...

Depois de colocar SP na fase vermelha, Doria reforça segurança

João Doria teve que reforçar a segurança nos arredores da própria residência por causa da turma radical que não aceita as medidas se segurança...

‘Tristeza por tantas vidas perdidas’, diz Paulinho da Viola

Paulinho da Viola foi vacinado nesta quinta-feira e analisou o momento vivido pelo Brasil, com recorde de mortes e demonstrações rasgadas de descaso de...