22.4 C
Brasil
segunda-feira, março 1, 2021
Início Brasil STF manda investigar venda de dados de ministros da Corte e de...

STF manda investigar venda de dados de ministros da Corte e de Bolsonaro

Decisão assinada pelo ministro do STF Alexandre de Moraes determinou nesta quarta-feira a abertura de uma investigação da Polícia Federal para apurar denúncias de que dados pessoais de ministros da Corte e do presidente da República, Jair Bolsonaro, estariam sendo vendidos em sites de vazamento na internet.

No despacho de três páginas, o ministro do Supremo afirma que o próprio presidente da Corte, ministro Luiz Fux, solicitou a investigação, que ocorrerá no âmbito do inquérito das fake news, que tramita no tribunal.

Um relatório preliminar foi elaborado por um perito e apontou indícios suficientes de que pelo menos quatro endereços de internet estariam oferecendo dados de autoridades brasileiras nas redes, o que foi suficiente para a abertura da investigação.

Em pelo menos um dos casos, diz Moraes na decisão, foi possível identificar o autor da página de internet, colocada no ar no dia 28 de janeiro. Os outros sites, segundo Moraes, foram rastreados na chamada Deep ou Dark Web.

“A comercialização de informações e dados privados e sigilosos de membros desta Corte atinge diretamente a intimidade, privacidade e segurança pessoal de seus integrantes”, diz Moraes na decisão. “Há, portanto, a necessidade de fazer cessar lesão ou ameaça de lesão a direito visando interromper o incentivo à quebra da normalidade institucional, concretizado por meio da divulgação e comercialização de dados privados e sigilosos de autoridades”, segue o ministro.

Além de abrir a investigação, Moraes determinou que todos os sites identificados como possíveis fontes de vazamentos ilegais fossem retirados do ar.

Moraes determinou o imediato comunicado da decisão ao chefe da Polícia Federal, delegado Rolando Alexandre, “para instauração de inquérito e investigação sobre os fatos, inclusive com a oitiva do responsável pela criação do site ‘ https://fuivazado.com.br/’, identificado pelo relatório constante nos autos, e adote todas as medidas necessárias para o bloqueio dos referidos endereços eletrônicos”.

Moraes determina que as “empresas GOOGLE, YAHOO, ASK, BING e outras semelhantes, a serem indicadas pela Polícia Federal, retirem, imediatamente, do sistema de buscas, todas as remissões aos referidos sites”.

O ministro também ordena o bloqueio do “acesso e exibição do material divulgado pela imprensa, consistente em dados privados, ilegalmente obtidos, dos ministros do STF e outras autoridades”.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

STJ adia julgamento de ações de Flávio Bolsonaro no caso ‘rachadinha’

Os dois recursos da defesa do senador Flávio Bolsonaro contra as investigações do caso das “rachadinhas” que seriam julgados nesta terça-feira foram retirados da...

Covid: Brasil nunca fez o mínimo de isolamento social para deter o vírus

Em meio ao recrudescimento da pandemia da Covid-19 em todo o país, governadores têm defendido que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, fixe regras...

Procurador pede suspensão de obras em estrada no meio da Amazônia

O subprocurador-geral do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) Lucas Furtado entrou nesta segunda-feira, dia 1, com uma representação pedindo...

Fevereiro teve recorde de buscas por boas práticas ambientais

O Brasil bateu em fevereiro o recorde de buscas pelo termo ESG – a abreviatura em inglês de Environmental, Social and Governance -, que...