21.9 C
Brasil
sexta-feira, maio 14, 2021
Início Brasil STF reconhece que crimes do ex-jogador Edmundo prescreveram

STF reconhece que crimes do ex-jogador Edmundo prescreveram

Por seis votos a cinco, o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a prescrição dos crimes do ex-jogador de futebol Edmundo Alves de Souza Neto, responsável por um acidente de carro que matou três pessoas em 1995, no Rio de Janeiro. 

Em 1999, Edmundo chegou a ser condenado pelo Tribunal de Justiça do Rio por homicídio culposo e lesão corporal culposa, mas não chegou a cumprir a pena.

O julgamento, realizado no plenário virtual do Supremo, foi concluído na última sexta-feira.  A maioria dos ministros acompanhou o voto do ministro Nunes Marques — que mantinha decisão já tomada pelo então ministro Joaquim Barbosa em 2011.

Já o relator do caso, ministro Luís Roberto Barroso, que ficou vencido, entendia que a prescrição deveria ser afastada. “Considerando que a data do fato (02.12.1995), da sentença condenatória (05.03.1999) e do trânsito em julgado (15 dias após 26.10.1999), não transcorreu o referido prazo de oito anos, não se pode ter consumado o lapso prescricional”, disse.  

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

PGR assina delação com advogado que deve implodir a Lava-Jato no Rio

O advogado Nythalmar Filho na última terça-feira seu acordo de delação premiada com a PGR. Em troca de provas contra investigadores da força-tarefa da Lava-Jato...

STF arquiva caso dos cheques de Queiroz que mirava Bolsonaro

No início da semana, o Radar revelou que o chefe da PGR, Augusto Aras, havia rejeitado investigar Jair Bolsonaro no caso dos cheques depositados...

Disputa pelo controle do aeroporto de Manaus segue no STF

A novela da licitação do aeroporto de Manaus, que antagoniza o governo de Jair Bolsonaro e consórcio SB Participações, ganhou mais um capítulo com...

Universidade Zumbi dos Palmares lança pesquisa inédita sobre cotas raciais

A Universidade Zumbi dos Palmares, em parceria com a ONG Afrobras e com o Conselho Nacional de Justiça, vai dar início a uma pesquisa...