23.4 C
Brasil
segunda-feira, março 8, 2021
Início Brasil Suspensão, fura-filas e pedido de prisão: as confusões da vacinação no AM

Suspensão, fura-filas e pedido de prisão: as confusões da vacinação no AM

Investigações para apurar fraudes e fura-filas nas campanhas de vacinação contra a Covid-19 foram movidas em pelo menos onze estados do país. Mas foi só no Amazonas que as ações judiciais chegaram a medidas drásticas, como um pedido de prisão preventiva contra o prefeito e a secretária municipal de Saúde de Manaus, e decisões judiciais pela suspensão temporária da imunização e de entrega de vacinas.

Desde a semana passada, o Ministério Público do Amazonas investiga contratações suspeitas feitas às vésperas da vacinação pela prefeitura de Manaus. Segundo a apuração da Promotoria, esses medidas teriam favorecido pessoas que não faziam parte do grupo prioritário e que mesmo assim foram vacinadas devido às suas “ligações políticas e econômicas” com o atual prefeito, David Almeida (Avante). O pedido de prisão preventiva foi protocolado na última segunda-feira, mas veio à tona nesta quarta-feira, dia 27, quando o juiz plantonista do Tribunal de Justiça estadual, José dos Santos, declinou da competência para julgar o caso.

A Justiça Federal também decidiu intervir na vacinação diante da profusão de denúncias de desvios de cargas e fura-filas, que continuam sendo apuradas.  Na terça-feira, dia 26, o órgão determinou a suspensão da entrega das doses Oxford/Astrazeneca em Manaus até que o município implementasse medidas de transparência para a vacinação — a entrega depois foi retomada. Antes, a campanha de imunização já havia sido paralisada na última quinta-feira, dia 21.

Para piorar a situação, as autoridades ainda cometeram uma série de trapalhadas nos últimos dias. Em 18 de janeiro, uma carga de 25.440 doses de vacina foi enviada por avião a Tabatinga, município que faz fronteira com a Colômbia e o Peru. Verificou-se depois que a quantidade estava acima da prevista, de 21.783, e a cidade precisou devolver o excedente, de 3.657.

Integrantes do governo ainda se queixaram de uma nota técnica emitida pelo Ministério da Saúde que definia a priorização de indígenas aldeados ante os profissionais de saúde. Como não há imunizantes suficientes para todo o grupo prioritário e o Amazonas têm uma população maior de indígenas do que de trabalhadores da saúde, muitos médicos e enfermeiros que estão atuando na linha de frente da Covid-19 acabaram ficando sem vacina.

Continua após a publicidade

A situação se agravou quando se descobriu que secretários e funcionários da prefeitura e médicos recém-formados estavam sendo imunizados antes dos profissionais que estavam trabalhando nos hospitais colapsados da capital e do interior.

Além disso, o governo amazonense ainda perdeu para a Covid-19 a principal coordenadora do programa de vacinas do estado. Na última sexta, 22, morreu por complicações da doença a diretora-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde, Rosemary Pinto. A ela é atribuída a coordenação das ações de combate à pandemia desde o início de 2020.

As falhas na vacinação não são o único problema do Amazonas. Isolado do restante do país por sua malha rodoviária escassa, o estado enfrenta uma crise sem precendentes de desabastecimento de oxigênio e falta de leitos de UTI.

A média de mortes por Covid-19 no estado teve um salto exponencial em janeiro, chegando a mais de 100 por dia — no momento mais crítico de 2020, o patamar era de 60 por dia. É do estado também que surgiu a nova variante do coronavírus, que, segundo estudos preliminares, é mais transmissível do que a variante tradicional e já foi detectada em outros estados, como São Paulo.

Para tentar minimizar a crise, o governo do Amazonas continua transferindo pacientes para outros estados. Nesta quinta-feira, 17 foram encaminhados a hospitais de Curitiba. Ao todo, foram registrados 319 deslocamentos. Em parceria com o Ministério da Saúde, o estado também corre para instalar usinas de oxigênio para abastecer o sistema de saúde da região.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Na pandemia, Coaf fez relatórios sobre 674 mil alvos

A pandemia não impediu o Conselho de Controle de Atividades Financeiras de ampliar seu trabalho de investigação de casos de lavagem de dinheiro. Pelo...

Líderes do Parlamento mostram preocupação com ação de governadores

Na edição de VEJA que está nas bancas, o Radar mostra o plano desenhado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira, para criar uma comissão...

País precisa ‘alinhar estratégias’ de combate o vírus, diz Eduardo Leite

Governador do Rio Grande do Sul, um dos estados mais castigados pelo agravamento da pandemia, Eduardo Leite diz ao Radar que o movimento dos...

‘Brasil não pode caminhar para colapso hospitalar absoluto’, diz Dino

Um dos articuladores da frente de governadores que se forma nesta segunda para tentar combater de modo estratégico o avanço do coronavírus em todo...