21.5 C
Brasil
segunda-feira, março 1, 2021
Início Brasil TCU determina suspensão de licitação bilionária do Ministério da Economia

TCU determina suspensão de licitação bilionária do Ministério da Economia

O Tribunal de Contas da União (TCU) oficializou nesta quarta-feira, 17, ao Ministério da Economia que a pasta precisa suspender um pregão eletrônico de quase R$ 2 bilhões para contratar uma empresa terceirizada. A companhia ia prestar os serviços de “apoio administrativo, recepção e secretariado pelos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional, no âmbito do Distrito Federal, com disponibilização de solução tecnológica para gestão e fiscalização contratual, por meio de aplicação web e aplicativo mobile”.

A decisão foi tomada pelo TCU no início deste mês, na sessão de 3 de fevereiro, e confirmou a medida cautelar que já havia sido concedida pelo ministro Raimundo Carreiro para suspender o pregão.

Ao suspender a licitação e eventuais atos e contratos dela decorrentes, o Tribunal entendeu que os estudos técnicos preliminares da licitação não demonstraram o benefício para a administração pública da adoção de prazo contratual originário superior a 12 meses, principalmente por se tratar de modelo de serviço nunca antes prestado, “com exigências inovadoras em relação aos modelos mais tradicionais, a exemplo do software de gerenciamento”.

O TCU também verificou que o ministério da Economia não motivou, de forma robusta, a adoção do critério de julgamento de menor preço global dos lotes licitados, situação que compromete a competitividade do certame e que infringe o atual entendimento de obrigatoriedade de adjudicação por itens em licitações destinadas à contratação de obras, serviços, compras e alienações, cujos objetos sejam divisíveis.

O doutor em direito público Ricardo Barretto, do escritório Barretto & Rost Advogados, afirma que os ministros acertaram com a suspensão. “A decisão é necessária porque ainda é preciso esclarecer o modelo de contratação adotado pelo Ministério da Economia, que inseriu diversos objetos distintos no âmbito de um mesmo pregão”, afirma o especialista. Segundo ele, a decisão “permitirá ao Tribunal de Contas apurar a economicidade e a eficiência da licitação, tendo em vista, sobretudo, a dimensão bilionária da contratação pretendida”.

No julgamento, os ministros entenderam que os estudos técnicos que definiram os critérios de formação de lotes da licitação não apresentaram justificativas suficientes para a não divisão do objeto do certame em cotas destinadas exclusivamente para Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, conforme determinado pela Lei Complementar nº 123/2006.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Eduardo Leite liderou a reação de governadores contra Bolsonaro

Neste domingo, dia 28, com o objetivo de se defender de críticas na gestão da pandemia, Jair Bolsonaro publicou um post com valores remetidos...

Bolsonaro ‘está matando’ os brasileiros na pandemia, diz Eduardo Leite

Em uma entrevista no fim da tarde desta segunda, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, bateu pesado em Jair Bolsonaro e...

STJ adia julgamento de ações de Flávio Bolsonaro no caso ‘rachadinha’

Os dois recursos da defesa do senador Flávio Bolsonaro contra as investigações do caso das “rachadinhas” que seriam julgados nesta terça-feira foram retirados da...

Covid: Brasil nunca fez o mínimo de isolamento social para deter o vírus

Em meio ao recrudescimento da pandemia da Covid-19 em todo o país, governadores têm defendido que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, fixe regras...