25.9 C
Brasil
segunda-feira, março 1, 2021
Início Brasil Veto da Índia expõe improviso do governo ao tentar obter a vacina

Veto da Índia expõe improviso do governo ao tentar obter a vacina

O veto da Índia à exportação para o Brasil das 2 milhões de doses da vacina de Oxford desenvolvida na planta indiana da AstraZeneca pegou de surpresa o governo de Jair Bolsonaro e frustrou os planos do Ministério da Saúde de anunciar ainda esta semana a data para um “Dia D” de vacinação nacional.

Fontes ligadas à pasta de Eduardo Pazuello afirmam que o dia 23 de janeiro seria o escolhido para dar início à aplicação das doses em instituições de longa permanência — como abrigos e asilos — em todo o país. A solução indiana havia sido dada pela própria farmacêutica, que encaminhou todo o protocolo de encaminhamento da Fiocruz junto ao Instituto Serum.

O episódio envolvendo a suposta importação azedou de vez o clima entre as diferentes áreas técnicas do governo envolvidas na busca pelo imunizante. Além de revelar falta de planejamento, com um anúncio de importação sem clara articulação diplomática com as autoridades da Índia, o movimento lançou luz sobre falhas profundas na organização do Ministério da Saúde com a Fiocruz.

Afinal, nesse estágio da pandemia, na avaliação de técnicos da Saúde, não era para o governo estar batendo na porta de outros países para importar doses de vacina.

O correto, em um governo planejado, seria já ter a produção interna do imunizante pela própria Fiocruz, uma lacuna grave de estratégia que lançou ainda mais pressão sobre as autoridades responsáveis pelo atraso no início da vacinação.

Monitoramento de redes do governo mostra que o avanço da vacinação em países vizinhos tem cobrado um preço caro ao Planalto em termos de popularidade. É esse sangramento na popularidade do governo que tem tirado o sono de ministros da área política, que pressionam as autoridades da área de saúde a apresentar respostas que façam o noticiário “virar”.

Nesse drama para mostrar trabalho em meio ao atraso no plano de vacinação, a avaliação é de que o anúncio prematuro da importação de doses agravou ainda mais a imagem de desordem no governo. “Anunciam a importação de um produto sem que o país exportador tenha sequer concordado? É nesse desespero que estamos vivendo”, diz um interlocutor da Saúde.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

STJ adia julgamento de ações de Flávio Bolsonaro no caso ‘rachadinha’

Os dois recursos da defesa do senador Flávio Bolsonaro contra as investigações do caso das “rachadinhas” que seriam julgados nesta terça-feira foram retirados da...

Covid: Brasil nunca fez o mínimo de isolamento social para deter o vírus

Em meio ao recrudescimento da pandemia da Covid-19 em todo o país, governadores têm defendido que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, fixe regras...

Procurador pede suspensão de obras em estrada no meio da Amazônia

O subprocurador-geral do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) Lucas Furtado entrou nesta segunda-feira, dia 1, com uma representação pedindo...

Fevereiro teve recorde de buscas por boas práticas ambientais

O Brasil bateu em fevereiro o recorde de buscas pelo termo ESG – a abreviatura em inglês de Environmental, Social and Governance -, que...