23.4 C
Brasil
segunda-feira, março 8, 2021
Início Justiça Justiça extingue banca de concursos com dívidas milionárias

Justiça extingue banca de concursos com dívidas milionárias

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) determinou a extinção da Fundação Universa (Funiversa), que acumula processos judiciais e é alvo de investigação por irregularidades. A conhecida banca organizadora de concursos não presta contas desde 2013, além de somar dívidas milionárias – incluindo disputa com a Sociedade de Ensino e Beneficência (SEB), administrada por freiras.

A decisão do juiz Luciano dos Santos Mendes, da 3ª Vara Cível de Brasília, foi proferida acatando pedidos do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) – que apura indícios de fraudes e dilapidação patrimonial – e da União Brasileira de Educação Católica (Ubec). O magistrado reconheceu “ilicitudes” nas atividades da Funiversa e determinou que, com a extinção, o patrimônio fosse revertido à Ubec.

“Tendo sido reconhecido pela própria ré a ausência de prestação de contas nesse período e ausente qualquer prova da regularidade do desenvolvimento de sua atividade, deve ser determinada a sua extinção”, escreveu o magistrado.

A decisão pode impactar também outro processo judicial, envolvendo um terreno de 15 mil m² no centro de Brasília. Como a coluna mostrou, a Sociedade de Ensino e Beneficência (SEB) disputa na Justiça o pagamento de aluguéis e outros prejuízos devidos pela Funiversa referentes a um imóvel localizado na Asa Norte, bairro nobre na capital do país. O descumprimento de regras contratuais pela Funiversa obrigou a SEB a encerrar projetos sociais e a entidade chegou inclusive a ter os bens bloqueados.

“A extinção da Funiversa é justa e necessária diante de todas as irregularidades praticadas”, diz a irmã Maria de Fátima, presidente da sociedade. “Esperamos que, agora, o Judiciário abra os seus olhos para todo o mal que essa Fundação tem feito à nossa irmandade e possa corrigir essas injustiças”, completa.

De acordo com o advogado da SEB, Angelo Ferraro, uma ordem de reintegração de posse do imóvel em Brasília foi peticionada no TJDFT. “A decisão de extinguir a Funiversa já era esperada, sendo de conhecimento comum que a organização não cumpre com seus deveres legais há anos e não poderia persistir em atividade, causando prejuízos milionários a inúmeras pessoas”, comenta. A coluna procurou a Funiversa, mas não obteve retorno.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Laboratório vê pedidos de testes de Covid-19 explodirem em março

O Labi Exames registra neste momento de avanço da pandemia uma forte alta na busca por testes de Covid-19. Somente nos três primeiros dias...

Bolsonaro falhou e a fratura federativa está exposta no Brasil

O Brasil começa a semana com o recorde na média móvel diária de mortes, que leva em consideração os dados dos últimos sete dias....

Na pandemia, Coaf fez relatórios sobre 674 mil alvos

A pandemia não impediu o Conselho de Controle de Atividades Financeiras de ampliar seu trabalho de investigação de casos de lavagem de dinheiro. Pelo...

Líderes do Parlamento mostram preocupação com ação de governadores

Na edição de VEJA que está nas bancas, o Radar mostra o plano desenhado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira, para criar uma comissão...