22.4 C
Brasil
segunda-feira, março 1, 2021
Início Política 2022 é só em 2022 (por Mary Zaidan)

2022 é só em 2022 (por Mary Zaidan)

O PT do ex Lula e o presidente Jair Bolsonaro perderam feio. O centro avançou, a abstenção bateu recordes. Mas, para além do óbvio, será necessário ultrapassar a fase das análises apressadas, algumas absolutamente irresponsáveis, para entender as motivações do eleitor e suas variáveis.

Alguns asseguram que a opção centrista resultou do cansaço do debate polarizado. Pode ser. Mas o raciocínio não vale para a vitória de Eduardo Paes (DEM) no Rio, tampouco para a de Bruno Covas (PSDB) em São Paulo, ambas mais explicáveis pelo descalabro da administração Crivella e pela aprovação da gestão do prefeito da capital paulista. O repúdio à rixa binária também não serve para Porto Alegre ou Recife, nas quais até existiria acirramento na disputa, não confirmado.

Diga-se, as urnas de 2020 foram cruéis com as pesquisas eleitorais, enterrando o Datafolha e o Ibope nas capitais de Pernambuco e do Rio Grande do Sul, locais em que no sábado cravaram empates, e em São Paulo, cuja margem de Covas sobre Guilherme Boulos (PSOL) foi quase o dobro da apontada pelos dois institutos.

Outra análise imediatista é imaginar que a cisão entre a esquerda, como a observada em Recife, será empecilho para composições futuras. Os impedimentos – alguns intransponíveis – já existiam, não foram desenhados pelos resultados municipais daqui ou de acolá.

De pronto, o que se vê nessa seara é a consolidação da liderança de Boulos, que ao perder ganhou mais do que se vencesse.

Boulos usou bem a chance para desenhar uma nova persona, moderada, mais leve, esperançosa – que deu certo. Chegou a 40% dos votos no maior colégio eleitoral do país e angariou apoio nacional de artistas de peso – de Caetano Veloso e Chico Buarque a Sônia Braga. Ainda assim, terá muito espinho daqui até 2022.

Continua após a publicidade

Mesmo com o seu PT esmagado pelo eleitor, Lula continuará se comportando como o dono da esquerda. Não tem qualquer intenção de terceirizar o poder que imagina ter para outro qualquer, muito menos para alguém que já começou a ofuscá-lo. Boulos tem ainda outros derrotados duros de roer em qualquer composição, time capitaneado por Marília Arraes (PT) e Manuela D’Ávila (PCdoB), além do sempre candidato Ciro Gomes (PDT).

No centro, Covas venceu sem padrinhos. Na campanha, descolou-se do governador João Doria, cuja desaprovação na capital poderia ser contagiosa, embora tenha feito questão de aparecer ao lado dele nos dias de votação. Foi sempre cordial com o adversário e duro nas críticas às políticas retrógradas que Bolsonaro encarna.

Mas o mais provável é que sua vitória se deva a um fato bem prosaico: em dois anos de mandato, conseguiu ser o segundo prefeito com melhor avaliação na capital desde a redemocratização. E seu desempenho na lida com a pandemia – mais radical do que o de Doria – parece ter sido aprovado.

Doria agora vai colar em Covas. A conferir se isso lhe dará pontos. Embora o governador paulista anseie o posto de candidato de centro em 2022, tem pela frente dificuldades imensas para alcançar a meta, especialmente depois dos inesquecíveis oportunismos do BolsoDoria, em 2018.

A única certeza que emerge das urnas de 2020 é a de que os prefeitos eleitos têm de estar prontos para o recrudescimento da crise que não dará trégua. Eleição de 2022 é só em 2022.

 

Mary Zaidan é jornalista 

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

STJ adia julgamento de ações de Flávio Bolsonaro no caso ‘rachadinha’

Os dois recursos da defesa do senador Flávio Bolsonaro contra as investigações do caso das “rachadinhas” que seriam julgados nesta terça-feira foram retirados da...

Covid: Brasil nunca fez o mínimo de isolamento social para deter o vírus

Em meio ao recrudescimento da pandemia da Covid-19 em todo o país, governadores têm defendido que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, fixe regras...

Procurador pede suspensão de obras em estrada no meio da Amazônia

O subprocurador-geral do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) Lucas Furtado entrou nesta segunda-feira, dia 1, com uma representação pedindo...

Fevereiro teve recorde de buscas por boas práticas ambientais

O Brasil bateu em fevereiro o recorde de buscas pelo termo ESG – a abreviatura em inglês de Environmental, Social and Governance -, que...