21.9 C
Brasil
segunda-feira, março 8, 2021
Início Política A autoridade da voz (Por João Bosco Rabello)

A autoridade da voz (Por João Bosco Rabello)

Há quem já tenha estabelecido a diferença entre a voz da autoridade e a autoridade da voz. Aquela, entendida como a voz de quem ocupa um cargo; esta, como a de quem a possui por méritos que transcendem e independem do título.

A primeira tem prazo de validade que pode expirar de forma precoce, antes mesmo do mandato. A segunda tem prazo indefinido e pode se estender por toda a vida e atravessar a história.

O tema veio em conversa recente com o ex- presidente do Supremo Tribunal Federal, Ayres Brito, em torno de fatores institucionais que importam a estabilidade política, entre os quais se insere a preservação da liturgia do poder.

O caminho mais erosivo para a voz da autoridade é a banalização do discurso, por sua frequência e superficialidade. Um presidente da República, por exemplo, deve sempre falar com o país, mas precisa ter o que dizer – e saber dizê-lo, com propriedade e oportunidade.

A voz dessa autoridade é importante para exercer o convencimento na hora de mudanças, exibir imparcialidade, trazer luz a debates que importam à sociedade e prestar contas, entre tantos outros objetivos inerentes à missão.

São fartos os exemplos de um e de outro. Para ficar na história recente e doméstica, vale lembrar o período tenso que precedeu nosso primeiro impeachment, quando Fernando Collor, alcançado por escândalos de corrupção, resistia à renúncia com discursos desorientados.

O jurista e ex-ministro Leitão de Abreu o classificou na ocasião como uma autoridade sem voz, ao dizer que se transformara em um presidente que já não era mais ouvido. O diagnóstico de Leitão foi o de “perda da autoridade política” e a situação impunha que alguém comunicasse isso ao presidente. O final da história é conhecido.

Continua após a publicidade

O presidente Jair Bolsonaro segue a mesma trilha ao banalizar a voz do chefe de governo em um dos períodos mais difíceis (senão o mais) do país. Pior que isso, fez de seu ministério, como um todo, um conjunto de autoridades sem voz e credibilidade a produzir frivolidades diárias.

Tome-se por exemplo, por ser um dos principais cargos de qualquer governo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, a quem o mercado e o meio político chamam nos bastidores de “animador de auditório”.

Quando economistas admitem o risco de uma taxa de desemprego entre 15% e 20% em 2021, não se conhece um roteiro para orientar a economia, mas todo dia tem discurso reativo aos críticos dessa omissão que passaram à categoria de “detratores”.

Ao contrário, a expectativa de sobrevivência do governo passou a ser a aliança com o centrão, visto pelo ambiente econômico e financeiro como “a turma do gasto”. Ou seja, não há temor pela esquerda ou direita, mas pelo centrão, cujo aumentativo não o põe no centro político, mas no centro de custos.

No vácuo de ações, o tempo vai exibindo bizarrices como a exclusão de negros da fundação Palmares, cujo objetivo é resgatar e afirmar os valores… negros.  Aqui e ali, o ministro da Saúde, general Pazuello, reafirma sua continência ao discurso anti-vacina comunista.

E, na mais pura ironia, o comandante do Exército, Edson Pujol, voz mais sensata até aqui justamente por dizer o óbvio, caiu do cavalo (literalmente).

O Brasil clama por uma voz com autoridade entre tantas autoridades sem voz.

João Bosco Rabello escreve no https://capitalpolitico.com/

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Na pandemia, Coaf fez relatórios sobre 674 mil alvos

A pandemia não impediu o Conselho de Controle de Atividades Financeiras de ampliar seu trabalho de investigação de casos de lavagem de dinheiro. Pelo...

Líderes do Parlamento mostram preocupação com ação de governadores

Na edição de VEJA que está nas bancas, o Radar mostra o plano desenhado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira, para criar uma comissão...

País precisa ‘alinhar estratégias’ de combate o vírus, diz Eduardo Leite

Governador do Rio Grande do Sul, um dos estados mais castigados pelo agravamento da pandemia, Eduardo Leite diz ao Radar que o movimento dos...

‘Brasil não pode caminhar para colapso hospitalar absoluto’, diz Dino

Um dos articuladores da frente de governadores que se forma nesta segunda para tentar combater de modo estratégico o avanço do coronavírus em todo...