22.1 C
Brasil
sexta-feira, fevereiro 26, 2021
Início Política Centro não apoiará Bolsonaro, se ele continuar um ‘pato manco’

Centro não apoiará Bolsonaro, se ele continuar um ‘pato manco’

As eleições municipais encerradas no último domingo, 29, deixaram mensagens importantes para o atual governo e para os partidos políticos em geral. Como a coluna mostrou, a união de partidos de diferentes vertentes aumenta as chances de vitória. Muitas dessas vitórias, inclusive, beneficiaram os partidos de centro, que cresceram e conquistaram espaços importantes em todo o país.

Já o presidente Jair Bolsonaro viu sua popularidade cair, assistiu à derrota da maioria dos seus candidatos nas urnas e ainda corre o risco de perder o apoio dos partidos de centro se não reconquistar sua força e provar que consegue estabilizar a economia.

Tanto os chamados partidos centro tradicional, no caso, o MDB, ou as legendas que nem sempre andaram nesse espectro político, mas se uniram para formar o “centrão”, têm como condição para apoiar o presidente da República a popularidade alta, a economia caminhando bem e a queda do desemprego. No entanto, esse cenário está cada vez mais difícil de ser uma realidade para a gestão Bolsonaro.

Entre os que mais ganharam nas eleições deste ano, o DEM nasceu como um partido de centro liberal, mas está se aproximando cada vez mais do centro. A legenda terá 464 prefeituras a partir de 2021, 196 a mais do que tinha em 2016.

Nomes importantes da sigla, como o presidente nacional do DEM, ACM Neto (DEM-BA), e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), estão trabalhando para dar ao partido uma visão mais programática e centrista. Daí o alerta de que não apoiarão o Bolsonaro dos extremos.

Continua após a publicidade

Maia e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), até deram uma trégua nos atritos com Jair Bolsonaro, mas a agenda de reformas que o governo quer priorizar no Congresso, unida à falta de popularidade do presidente, podem atrapalhar os planos. 

Já o MDB, que sempre esteve disponível para fazer coalizões e que tem nomes de peso, vai governar 784 cidades a partir de 2021. Apesar do bom desempenho, a legenda perdeu o comando de 260 municípios e estará um pouco menor do que estava em 2016.

Entre os partidos do chamado “centrão”, considerado o grande balcão de negociações dos políticos, o PP, o PSD e o PL terão o maior número de prefeituras a partir do próximo ano. PP terá 685 cidades, PSD comandará 655 municípios e o PL terá 345 cidades para governar.

Para essas duas alas de centro do país, o presidente Jair Bolsonaro se tornou um “pato manco”, expressão usada para definir um político que está no cargo, mas perde forças e pode não conseguir nem disputar uma reeleição.

Um levantamento do jornal O Globo com dados do Ibope, feito antes da disputa do segundo turno, já indicava que a análise negativa do presidente cresceu em 23 das 26 capitais do Brasil entre os meses de outubro e novembro.

Resta saber se Bolsonaro vai usar as eleições como uma lição a ser aprendida ou se vai negar que seu nome já não tem a força que teve nas eleições de 2018.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Governadores do Sul vão decretar medidas conjuntas contra a Covid-19

Está em curso neste momento uma reunião entre os três governadores da Região Sul do país para tratar do cada vez mais ameaçador colapso...

Covid-19: cai pela metade a média de pessoas vacinadas por dia no Brasil

A média de pessoas vacinadas com a primeira dose contra a Covid-19 no Brasil caiu na última semana em comparação com a verificada há...

Após entrevistas, Justiça ameaça prender hacker da Vaza-Jato

O juiz federal Ricardo Leite, da 10ª Vara da Justiça Federal, disse que Walter Delgatti Neto, o hacker que vazou as mensagens da Lava-Jato,...

Justiça manda Odebrecht refazer plano de pagamento de credores

O Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que a recuperação judicial da Odebrecht refaça, em 60 dias, a proposta para o pagamento de seus credores....