21.5 C
Brasil
segunda-feira, março 1, 2021
Início Política Como e onde uma frente ampla de partidos deu certo

Como e onde uma frente ampla de partidos deu certo

Com o fim das eleições municipais, uma importante lição foi aprendida pela classe política brasileira: uma frente ampla, composta por partidos de diferentes vertentes, tem força para definir uma eleição contra um extremo.

Em Fortaleza, a vitória de José Sarto (PDT) contra o Capitão Wagner (Pros) no segundo turno mostrou que uma esquerda unida, que busca o apoio de partidos de centro, tem força para derrotar o extremismo representado pelo bolsonarismo.

Wagner era apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro, mas não conseguiu a vitória esperada. Em vez disso, a população escolheu Sarto, um candidato que reuniu importantes alianças e ganhou forças e visibilidade ao ser apoiado pelos irmãos Ciro e Cid Gomes, pelo atual governador do Ceará, Camilo Santana (PT), e pelo atual prefeito de Fortaleza, Roberto Claudio (PDT).

Outros apoios fundamentais para a vitória de Sarto vieram de dois integrantes de partidos de centro: o atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) manifestaram publicamente seu apoio a Sarto. O candidato do PDT venceu a disputa deste domingo, 29, com 51,69% dos votos válidos contra 48,31% do Capitão Wagner.

Embora tenha surtido efeito em Fortaleza, a construção de uma frente ampla que reúna vários partidos não é fácil de ser colocada em prática. Em Recife, por exemplo, a divisão da esquerda pulverizou os votos.

Continua após a publicidade

O segundo turno terminou com a vitória de João Campos (PSB), com 56,27% dos votos válidos. Ele venceu a disputa contra sua prima, Marília Arraes (PT), que obteve 43,73% dos votos válidos. 

Como a coluna mostrou, danos profundos e irreversíveis na família Arraes terminaram em uma disputa com ataques, exposição de problemas e um resultado que apenas mantém a oligarquia familiar no poder. A disputa entre parentes pode, inclusive, ter atrapalhado a construção de alianças mais fortes tanto para João Campos como para Marília.

No Rio, embora a vitória de Eduardo Paes (DEM) tenha sido contundente, com 64,07% dos votos válidos, houve dificuldades em receber apoio de partidos importantes da esquerda. Paes recebeu apoio do PT, mas o PSOL – que mostrou grande força nesta eleição com o desempenho de Boulos em São Paulo – evitou manifestar apoio ao candidato do DEM. Marcelo Freixo chegou a defender um voto crítico em Paes contra Crivella, mas o partido não seguiu a mesma linha. Do outro lado, mesmo apoiado por Bolsonaro, Marcelo Crivella (Republicanos) não conseguiu se reeleger e recebeu 35,93% dos votos válidos.

A lição que fica para as próximas disputas é de que a união rende bons resultados para partidos que decidem tomar uma posição. Tanto os partidos de centro, que se consolidaram e foram os grandes vitoriosos dessa eleição, como as legendas de esquerda, enfraquecidas, descobriram que têm mais possibilidades ao caminharem juntos do que separados.

 

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Eduardo Leite liderou a reação de governadores contra Bolsonaro

Neste domingo, dia 28, com o objetivo de se defender de críticas na gestão da pandemia, Jair Bolsonaro publicou um post com valores remetidos...

Bolsonaro ‘está matando’ os brasileiros na pandemia, diz Eduardo Leite

Em uma entrevista no fim da tarde desta segunda, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, bateu pesado em Jair Bolsonaro e...

STJ adia julgamento de ações de Flávio Bolsonaro no caso ‘rachadinha’

Os dois recursos da defesa do senador Flávio Bolsonaro contra as investigações do caso das “rachadinhas” que seriam julgados nesta terça-feira foram retirados da...

Covid: Brasil nunca fez o mínimo de isolamento social para deter o vírus

Em meio ao recrudescimento da pandemia da Covid-19 em todo o país, governadores têm defendido que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, fixe regras...