21.9 C
Brasil
sábado, fevereiro 27, 2021
Início Política É preciso olhar para a frente

É preciso olhar para a frente

Editorial de O Estado de S. Paulo (29/11/2020)

O ex-presidente Lula da Silva declarou seu apoio ao candidato do PSOL à Prefeitura de São Paulo, Guilherme Boulos, nos seguintes termos: “Todos os eleitores e eleitoras que votam no PT, todos os eleitores que são de esquerda, todos os eleitores progressistas, todos que querem restabelecer a democracia no Brasil, têm agora o compromisso histórico de votar no companheiro Guilherme Boulos para prefeito de São Paulo”.

A declaração é espantosa – não por cobrar dos petistas o voto em Boulos, pois isso é problema dele e de seus devotos, mas sim por dizer que se trata de um voto para “restabelecer a democracia no Brasil”. Ora, quem disse que a democracia brasileira precisa ser “restabelecida”?

É essa visão lulopetista que envenena a democracia, tanto quanto o bolsonarismo que ela pretende antagonizar. Para o chefão do PT, se a esquerda não está no poder, então não há democracia.

Felizmente, contudo, a campanha municipal em São Paulo tem dado provas de que a peçonha autoritária deu lugar à discussão sobre os problemas da cidade e sobre quem é mais competente para resolvê-los. À parte as rusgas naturais de uma corrida eleitoral disputada, o que se tem são dois candidatos que se respeitam e ao eleitor.

Decerto a decepção e o cansaço com o populismo lulopetista e bolsonarista, medidos em pesquisas e evidentes no cotidiano do País, foram essenciais para reconduzir a democracia ao leito da política, em que as coisas não se resolvem no grito, mas no diálogo e na aceitação da legitimidade do adversário. Já não era sem tempo.

Continua após a publicidade

A declaração de Lula da Silva, contudo, só reforça a percepção de que a candidatura do sr. Boulos está atada a compromissos danosos à cidade e ao País. Por mais moderado que tenha se mostrado, o candidato do PSOL é hoje a esperança de restauração do poder de uma esquerda desmoralizada por escândalos cabeludos, grossa incompetência administrativa e truculência antidemocrática. O tal “compromisso histórico” de que fala Lula é tão falso quanto as juras de inocência do chefão petista.

É certo, portanto, que um eventual triunfo de Guilherme Boulos representaria um enorme retrocesso, pois daria sobrevida à empulhação lulopetista, sob a capa da renovação representada pelo PSOL – que, é preciso recordar, nasceu como dissidência radical do PT e continua fiel aos ideais retrógrados que o movem desde então.

É por essa razão que o melhor desfecho para São Paulo, na votação de hoje, seria uma vitória do atual prefeito, Bruno Covas (PSDB), que já deu demonstrações suficientes de sua seriedade e de sua racionalidade. Como afirmamos há uma semana neste espaço, o sr. Covas saiu-se razoavelmente bem do imenso desafio imposto pela pandemia de covid-19 e isso, por si só, o credencia a continuar à frente da Prefeitura. Nenhum dos outros candidatos teve essa experiência, tão necessária no momento em que a pandemia dá sinais de que pode recrudescer e quando ainda há muito a fazer para que a cidade volte ao normal.

Ademais, no cotejo de propostas, está claro que apenas um dos campos, o de Bruno Covas, trabalha mais ou menos dentro da realidade orçamentária; seu adversário insiste em oferecer ilusões ao eleitor, subestimando custos e inventando receitas onde não existem. Faz parecer que os problemas, a começar pelos sociais, podem ser resolvidos apenas com base na vontade.

São Paulo não pode se prestar a ser laboratório de experiências já testadas e fracassadas. Se isso já seria uma temeridade em condições normais, durante uma crise como a atual, que envolve múltiplas dimensões, seria simplesmente insano. A cidade tampouco pode servir de ringue para a rinha entre Lula da Silva e o presidente Jair Bolsonaro, que já esgotou a paciência do País.

É preciso olhar para a frente. A recondução do prefeito Bruno Covas hoje seria um poderoso símbolo da superação, ao menos no nível municipal, do antagonismo que ainda faz muito mal ao País e que reduz tudo a uma guerra insana entre o ruim e o pior. O choque da eleição de 2018 basta para que os eleitores tenham ciência do quão alto é o custo de um salto no escuro.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Pacheco deve se distanciar das trapalhadas da agenda de Lira na Câmara

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, foi aconselhado por colegas a aproveitar os tropeços de Arthur Lira na Câmara para marcar uma diferença de...

Emissário de Bolsonaro tentou alertar Silveira sobre risco de prisão

Dias antes de o ministro Alexandre de Moraes, do STF, prender o deputado Daniel Silveira, um emissário de Jair Bolsonaro tentou contê-lo. “Você vai prejudicar...

Porsche de chefe do PCC vai virar viatura de polícia em SP

João Doria determinou que a cúpula da Segurança de São Paulo faça uma força-tarefa junto ao Poder Judiciário na tentativa incorporar aos bens do...

O que ainda segura Paulo Guedes no governo Bolsonaro

Depois dessa crise aberta por Jair Bolsonaro na Petrobras, Paulo Guedes nunca esteve tão abatido no governo, diz um colega dele de ministério. “O que...