23.4 C
Brasil
segunda-feira, março 8, 2021
Início Política Nem R$ 200 milhões evitaram o vexame eleitoral do PSL

Nem R$ 200 milhões evitaram o vexame eleitoral do PSL

A onda bolsonarista da eleição de 2018 levou o PSL à Presidência da República e fez do partido a segunda maior bancada na Câmara dos Deputados, criando a expectativa de que a próxima eleição, em 2020, faria a sigla ganhar capilaridade a nível municipal, impulsionada pela figura de Jair Bolsonaro e os 200 milhões de reais do fundo de financiamento de campanhas. Com a saída de Bolsonaro da legenda após menos de um ano no poder, no entanto, só o dinheiro farto não foi o bastante para gerar bons resultados nas urnas, nem livrar o partido de um vexame eleitoral.

O PSL elegeu apenas 90 prefeitos, sobretudo em cidades pequenas e médias, e não venceu em nenhuma das 100 maiores cidades do país, incluindo as 26 capitais estaduais – nas quais não disputou nenhum segundo turno. Os prefeitos pesselistas estão distribuídos em apenas treze estados – nos treze demais não houve uma vitória sequer – e a sigla disputou o segundo turno em somente duas cidades, Praia Grande (SP) e Sorocaba (SP), nas quais foi derrotado.

Com os cofres cheios, os estados que receberam mais recursos tiveram mais prefeitos eleitos pelo partido. O diretório de Minas Gerais, onde 14 pesselistas saíram vitoriosos, levou 9,1 milhões de reais, enquanto o de São Paulo (nove prefeitos eleitos) recebeu 10,2 milhões de reais, o de Santa Catarina (treze prefeitos eleitos) ficou com 5,04 milhões de reais e o do Paraná (24 prefeitos eleitos), com 5 milhões de reais. Entre as maiores conquistas eleitorais do PSL estão cidades médias, como as mineiras Ipatinga (265.409 habitantes) e Passos (115.337 habitantes), a paulista São Carlos (254.484 habitantes) e a pernambucana Abreu e Lima (100.346 habitantes).

Os candidatos nos quais o partido empenhou mais dinheiro estão entre os maiores fracassos pesselistas de 2020: Luiz Lima, cuja campanha recebeu 2,6 milhões de reais do PSL, ficou em quinto lugar no Rio de Janeiro, com apenas 6,85% dos votos; Vanda Monteiro, quinta colocada em Palmas, com 8,68% dos votos, foi beneficiada com 2,3 milhões; e Joice Hasselmann, maior mico eleitoral da sigla, levou 2,250 milhões de reais e foi apenas a sétima mais votada em São Paulo, com 1,84% dos votos.

Se a expectativa do PSL era a de empilhar prefeituras para manter a bancada federal em número semelhante em 2022, os sinais de 2020 acabaram mostrando um risco claro: o de voltar ao diminuto tamanho original.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Laboratório vê pedidos de testes de Covid-19 explodirem em março

O Labi Exames registra neste momento de avanço da pandemia uma forte alta na busca por testes de Covid-19. Somente nos três primeiros dias...

Bolsonaro falhou e a fratura federativa está exposta no Brasil

O Brasil começa a semana com o recorde na média móvel diária de mortes, que leva em consideração os dados dos últimos sete dias....

Na pandemia, Coaf fez relatórios sobre 674 mil alvos

A pandemia não impediu o Conselho de Controle de Atividades Financeiras de ampliar seu trabalho de investigação de casos de lavagem de dinheiro. Pelo...

Líderes do Parlamento mostram preocupação com ação de governadores

Na edição de VEJA que está nas bancas, o Radar mostra o plano desenhado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira, para criar uma comissão...