29.9 C
Brasil
sexta-feira, março 5, 2021
Início Política Palanques desfeitos: é hora de trabalhar (por Gustavo Krause)

Palanques desfeitos: é hora de trabalhar (por Gustavo Krause)

A rotina da democracia alterna a retórica estridente dos discursos, as “terras prometidas” pelos candidatos, com palavras severas ditadas do realismo das gestões e com a serena avaliação dos efeitos do revés eleitoral.

Neste clima em que se restaura a normalidade cotidiana, não faltam a contabilidade das perdas e dos ganhos e as projeções aligeiradas sobre uma remota eleição eis que sujeita às chuvas, trovoadas e ao impacto do aleatório sob a forma implacável dos “cisnes negros”.

Em relação às previsões, projeções, e à certeza das pesquisas, os eleitores são a esfinge que devora todos que tentam decifrá-los.

Certamente quase tudo já foi dito sobre o assunto. Para não passar em branco, seguem despretensiosas reflexões:

1. Em geral, os resultados apontam para uma vitória dos partidos que formam o centro político (importante distinguir “o centrão de raiz”, governistas de sempre, e “o centro reformista” um conjunto de partidos e lideranças com tonalidades liberais, social-democratas, mantendo distância do bolsonarismo, porém dispostos a apoiar a agenda econômica do governo).

2. O enfraquecimento da esquerda com destaque para a desidratação do PT e o seu líder Lula, e uma emergência relevante Guilherme Boulos (PSOL) que, repaginado, sem perder a identidade, tem futuro. Ciro empina uma candidatura presidencial liderando as siglas da esquerda com olhares de cobiça para nacos do centro. O PT é um caso à parte.

Continua após a publicidade

3. O fortalecimento do DEM coloca o partido e suas lideranças nos rumos do cenário nacional. Tem palco, enredo, plateia e seu protagonismo vai depender do personagem. O PSDB tem, desde sempre, o personagem; falta o enredo.

4. O Presidente Bolsonaro faz de conta que nada tem a ver com a eleição, ou seja, nem ganhou, nem perdeu, mas se depara com um problemão: uma agenda travada e sem palanques, é hora de pegar no pesado.

Por sua vez, o setor produtivo aguarda decisões estratégicas para jogar o jogo da economia, com regras estáveis e previsíveis, de modo que a sociedade, especialmente os mais pobres, sejam efetivamente beneficiados por um crescimento sustentável.

Neste meio tempo, há uma decisão de grande significado político para o governo e que permite avaliar o custo de transação com “o centrão de raiz” para entregar as reformas necessárias para que o Brasil retome o caminho da recuperação. Refiro-me às eleições das Casas Legislativas.

Tudo indica que a economia será o grande cabo eleitoral do pleito de 2022. Este fator decisivo não se resolve com a fugaz popularidade de uma renda mínima generosa que levará o Brasil à ruína da insolvência. Pelo contrário, exige o fortalecimento estrutural da economia, enfrentando os privilégios corporativos de sempre e um prejuízo imediato da popularidade a ser compensado por um ambiente de maior solidez e menos afetado pelos solavancos dos esbirros ideológicos.

Em política, o que parece é, mesmo não sendo. A experiência recente demonstrou o inverso: o que parece a política velha é política velha e, sem ela, ao menos por um custo suportável, a agenda reformista não anda e os brasileiros padecem.

Gustavo Krause foi ministro da Fazenda

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Covid-19: Doria anuncia novo hospital de campanha em SP

O governador João Doria disse nesta sexta-feira, 5, que um novo hospital de campanha será aberto na cidade de São Paulo para o tratamento...

Bolsonaro usa mentira como método e não merece governar, diz Dino

Autor da queixa-crime encaminhada à Câmara pelo decano do STF, ministro Marco Aurélio Mello, o governador do Maranhão, Flávio Dino, bate pesado no presidente...

Como a Ambev vem atuando contra a cultura machista no mercado

O debate sobre equidade de gênero nunca esteve tão forte no setor cervejeiro. Na Ambev, mudanças expressivas estão em curso em todas as áreas...

Ministro do Turismo leva comitiva de 30 pessoas à cerimônia no Rio

O ministro do Turismo, Gilson Machado, causou furor nesta semana ao surgir no Cristo Redentor com uma comitiva de 30 pessoas para a cerimônia...