28.8 C
Brasil
quarta-feira, fevereiro 24, 2021
Início Política Quanto custa ter um presidente antivax

Quanto custa ter um presidente antivax

Às 6h31 de hoje, em Conventry, na região central do Reino Unido, a vendedora de joias aposentada norte-irlandesa Margaret Keenan, que completará 91 anos na próxima semana, foi a primeira britânica a ser imunizada na campanha de vacinação em massa contra a Covid-19. No Reino Unido, 61 mil pessoas já morreram por Covid-19 e 1,7 milhão foram contaminados, incluindo o primeiro-ministro Boris Johnson, que passou dias na UTI. Nesta fase, 800 mil britânicos com mais de 80 anos devem ser vacinados. A rainha Elisabeth, de 94 anos, e o príncipe Philip, de 99, também vão se vacinar, em um demonstração de confiança no sistema de saúde.

O Reino Unido encomendou mais de 350 milhões de doses de vacinas de sete laboratórios distintos. Até o fim do ano, o plano é que os 55 milhões de habitantes acima de 16 anos sejam vacinados. A campanha foi batizada de V-Day, com V de Vacina se comparando com o V do Dia da Vitória da Segunda Guerra Mundial. Na Rússia, milhares de profissionais de saúde, professores e militares estão sendo vacinados desde a semana passada. Na Alemanha e no México, a vacinação começa antes do Natal. Em janeiro, na Argentina, Espanha, Portugal e Portugal. Nos EUA, em alguns Estados em janeiro e na maioria a partir de abril.

Enquanto o mundo todo se desdobra em facilitar as condições para que sua população seja protegida, o presidente Jair Bolsonaro gastou a tarde de ontem inaugurando uma exposição com o terno que vestiu no dia da posse. O presidente já afirmou que não pretende se vacinar e disse que irá divulgar pela internet os efeitos colaterais das vacinas para que ninguém o culpe. Bolsonaro é um antivax, que é como se denominam os malucos que desprezam as vacinas.

O presidente Bolsonaro é o sujeito disse que o coronavírus era “um gripezinha” e que nunca visitou uma das 177 mil famílias que perderam seus entes para a Covid-19. O Brasil é o segundo país do mundo em número de mortos e o terceiro em número de contaminados.

Mesmo assim, o Ministério da Saúde do presidente Bolsonaro não tem nenhuma vacina. Eles apostaram suas fichas e orçamento nas pesquisa do laboratório AstraZeneca, cujos testes tiveram problemas e estão sendo refeitos. Por ordem pessoal de Bolsonaro, o Ministério da Saúde está boicotando a outra vacina em testes no Brasil, a Sinovac, feita em parceria com o Instituto Butantan, do governo de São Paulo.

O plano do Ministério da Saúde do presidente Bolsonaro é frouxo. Prevê iniciar a vacinação em março daqueles com mais de 75 anos e profissionais de saúde. Até o fim ano seriam apenas 50 milhões de imunizados, um de cada quatro brasileiros.

Com o início da vacinação na Europa, os governadores ameaçam uma revolta para adquirir vacinas sem a tutela do Ministério da Saúde do governo Bolsonaro. Eles pretendem ou participar das encomendas da Sinovac junto com o governo de São Paulo ou tentar comprar lotes da vacina da Pfizer, que custa o dobro. É uma atitude de desespero.

O Ministério da Saúde do presidente Bolsonaro não encomendou as seringas necessárias para a vacinação. O ministério da Saúde do presidente Bolsonaro está deixando apodrecer milhões de kits de testes para identificar contaminados com Covid-19. Imaginar que agora o Ministério da Saúde do presidente Bolsonaro vá funcionar é como acreditar em Papai Noel. Desculpe avisar, mas não existem nem Papai Noel, nem competência no governo Bolsonaro.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Governadores criticam desvinculação de receitas da educação e saúde

Governadores do Nordeste se posicionaram contra a desvinculação das receitas constitucionalmente destinadas a ações e serviços públicos de saúde e a manutenção e desenvolvimento...

Laboratório de Santarém quer identificar novas cepas da Covid-19

Parceria entre o governo do Pará e a Universidade Federal Oeste do estado (Ufopa) reativou, nesta quarta-feira, 24, o Laboratório de Biologia Molecular (Labimol),...

A dobradinha de Guedes e Roma no Planalto

Nesta terça, no início da cerimônia com prefeitos no Palácio do Planalto, o ministro da Cidadania, João Roma, e o chefe da Economia, Paulo...

Alcolumbre é eleito presidente da CCJ do Senado

Como previsto, Davi Alcolumbre acaba de ser eleito por aclamação o novo presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a mais importante...