24.1 C
Brasil
sábado, fevereiro 27, 2021
Início Política Reforma Tributária: o teste de fogo de Rodrigo Maia

Reforma Tributária: o teste de fogo de Rodrigo Maia

Na última terça-feira, os ministros Paulo Guedes, da Economia, e Luiz Eduardo Ramos, responsável pela articulação política, buscaram saber detalhes sobre o andamento da Reforma Tributária, um dos projetos mais importantes que tramitam no Congresso, e chamaram para uma reunião os deputados Baleia Rossi (MDB-SP) e Aguinaldo Ribeiro (Progressistas-PB), autor e relator da matéria. No encontro, pouco – ou nada – avançou.

Os governistas questionaram as prioridades da medida, fizeram críticas ao texto e até aos economistas que ajudaram a rascunhá-lo, como Bernard Appy e Marcos Lisboa. Como resposta, ouviram dos deputados mais uma vez que uma nova versão da CPMF não estará no pacote desenhado pelos parlamentares.

Como a sucessão à presidência da Câmara também é assunto dominante, os ministros ouviram ainda um recado claro: o de que a própria base estava atrapalhando a tramitação do projeto, conforme mostra reportagem de VEJA desta edição.  Os deputados querem fazer a Reforma Tributária avançar com ou sem o apoio do governo. Ao lado do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), Rossi e Ribeiro estão costurando com a oposição um texto consensual para levar a proposta ao plenário ainda neste ano.

Os partidos de esquerda, por exemplo, querem tributar heranças e patrimônio. “Se essa reforma avançar, estaríamos migrando de uma política econômica 100% liberal para uma socialista”,  disse o ministro Fábio Faria, das Comunicações, sobre as negociações com a esquerda.

O esforço é considerado um relevante teste da força política de Maia e do tamanho do seu poder de aglutinação para a eleição à presidência da Câmara no ano que vem. Isso porque para aprovar a medida, que exige uma mudança constitucional, são necessários ao menos 308 votos, número que corresponde justamente ao bloco que Maia tenta fechar para a disputa de 2021.

Rodrigo Maia afirma que não será mais uma vez candidato, mas são poucos os que acreditam que o presidente jogou a toalha. O maior indicativo disso é o fato de o deputado não apontar quem será o parlamentar que ganhará o seu apoio. Nos bastidores, fala-se que o democrata espera uma definição do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre se é possível ou não que ele concorra a mais um mandato para se posicionar em definitivo.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Pacheco deve se distanciar das trapalhadas da agenda de Lira na Câmara

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, foi aconselhado por colegas a aproveitar os tropeços de Arthur Lira na Câmara para marcar uma diferença de...

Emissário de Bolsonaro tentou alertar Silveira sobre risco de prisão

Dias antes de o ministro Alexandre de Moraes, do STF, prender o deputado Daniel Silveira, um emissário de Jair Bolsonaro tentou contê-lo. “Você vai prejudicar...

Porsche de chefe do PCC vai virar viatura de polícia em SP

João Doria determinou que a cúpula da Segurança de São Paulo faça uma força-tarefa junto ao Poder Judiciário na tentativa incorporar aos bens do...

O que ainda segura Paulo Guedes no governo Bolsonaro

Depois dessa crise aberta por Jair Bolsonaro na Petrobras, Paulo Guedes nunca esteve tão abatido no governo, diz um colega dele de ministério. “O que...