21.2 C
Brasil
terça-feira, março 2, 2021
Início Política Saída de Pazuello do governo é só uma questão de tempo

Saída de Pazuello do governo é só uma questão de tempo

Até quando o general Eduardo Pazuello, ministro improvável da Saúde tanto quanto Jair Bolsonaro é presidente acidental, ainda suportará o desgaste que sofre em decorrência de sua abissal ignorância sobre assuntos que é obrigado a tratar? E até quando o Exército assistirá inerte à desmoralização de um dos seus oficiais?

Pazuello não é apenas mais um militar de alto coturno que serve ao governo de um ex-capitão afastado contra sua vontade da caserna por indisciplina e conduta antiética nos anos 80 do século passado. É o único general da ativa e, como tal, membro do alto comando do Exército. Isso faz muita diferença – ou melhor: deveria fazer.

Seu colega Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria do Governo, levou meses para finalmente se render à pressão superior e pedir passagem para reserva. Militar da ativa não pode ocupar os dois lados do balcão, ora sentando-se com os que governam o país, ora com os que ditam os rumos das Forças Armadas.

Uma coisa nada tem a ver com a outra. O Exército é uma instituição permanente e apartidária. Não deve confundir-se, nem deixar-se  confundir com governos cuja duração máxima é de oito anos. Era de quatro até que nos anos 90 o presidente Fernando Henrique Cardoso pegou gosto e quis ficar mais quatro. Ficou.

O Brasil registrou, ontem, quase 800 mortes pela Covid-19 em 24 horas, e o total ultrapassou a marca de 178 mil. O número de infectados se aproxima dos 7 milhões desde o começo da pandemia. Na gestão de Pazuello, a quantidade de casos aumentou 30 vezes. E se não bastasse, ele continua a dizer asneiras.

Em debate com governadores, entre eles João Doria (PSDB), de São Paulo, o ministro bateu seu recorde de asneiras. Visivelmente desconfortável no papel que Bolsonaro o forçou a viver, Pazuello disse a certa altura do duro interrogatório que enfrentou:

“Eu já expus a todos os governadores: quanto à vacina do Butantã, que não é do Estado de São Paulo, é do Butantã, eu não sei por que o senhor [Doria] tanto fala como se fosse do Estado, ela é do Butantã. O Butantã é o maior fabricante de vacinas do nosso país e é respeitado por isso”.

Continua após a publicidade

Por descuido ou por pena do general, Doria não respondeu que o Instituto Butantã foi fundado pelo governo de São Paulo em 1901 e desde então faz parte da Secretaria de Saúde do Estado. Ele é o fabricante por aqui da Coronavac, a vacina chinesa que desperta em Bolsonaro seus instintos mais primitivos.

Em outubro último, em entrevista à rádio Jovem Pan, Bolsonaro afirmou: “A vacina da China nós não compraremos. É decisão minha”. Está gravado, o que não o impedirá de desmentir como já desmentiu que tenha dito duas vezes que o coronavírus não passava de uma gripezinha. Também está gravado, mas e daí?

O ponto alto do discurso de Pazuello aos governadores foi sobre sobre o futuro da Coronavac: “Quando a vacina estiver registrada, avaliaremos a demanda, e se houver demanda e houver preço, nós vamos comprar. Havendo demanda, todas as vacinas serão alvo de de nossas compras”. 

Havendo demanda? Já não há?

Falta um plano de vacinação em massa. O que existe é um arremedo de plano repleto de buracos. Falta senso de urgência. Falta planejamento. Falta articulação com Estados e municípios. Falta comprar vacinas que outros países já compraram. E faltam insumos básicos, como agulhas, para que a vacinação possa começar.

Pazuello não sabe o que diz. E tem medo de dizer o que possa enfurecer Bolsonaro. Há mais de um mês, autorizado por ele, o ministro anunciou a compra de 46 milhões de doses da Coronavac. No dia seguinte, foi desautorizado. Pazuello então admitiu envergonhado: “Manda quem pode, obedece quem tem juízo”.

Tem um general que se humilha e que é humilhado em praça pública dia sim, o outro também, e isso não é uma coisa que dignifique o Exército de Caxias.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

STF arquiva denúncia da PGR contra “quadrilhão do PP” e salva Lira

A Segunda Turma do STF arquivou a denúncia por organização criminosa contra o chamado “quadrilhão do PP”, que envolvia o presidente da Câmara, Arthur Lira,...

STF julga lei de antenas de SP inconstitucional e abre espaço para 5G

Uma decisão do Supremo Tribunal Federal publicada ontem julgou inconstitucional a Lei de Antenas de São Paulo. A prefeitura e a câmara municipal recorreram...

Governadores ‘desistem’ de Pazuello para assumir a gestão da crise

Como já aconteceu em outras vezes ao longo dos últimos meses de pandemia da Covid-19, uma comitiva de 21 governadores foi a Brasília nesta...

Ministro pede aposentadoria ao vivo em sessão do STJ

O ministro do Superior Tribunal de Justiça Nefi Cordeiro, de 57 anos, pediu aposentadoria ao vivo durante a sessão de julgamentos desta terça-feira. “Pensei muito...