24.1 C
Brasil
sábado, fevereiro 27, 2021
Início Política Sem Teto e Sem Futuro (por Cristovam Buarque)

Sem Teto e Sem Futuro (por Cristovam Buarque)

Boulos trouxe uma cara nova para a esquerda, mas não apresentou ideias novas da esquerda. Trouxe o radicalismo solidário, decente e justo de não aceitar um sem-teto em frente a edifício sem morador, mas não defendeu reformas necessárias para fechar a fábrica de sem-teto que caracteriza a estrutura social brasileira. Ele aproximou a esquerda dos sem-teto, mas não dos sem-futuro: uma utopia para o Brasil, a ser construída sobre bases sustentáveis. Ele ressuscitou a solidariedade que a direita nunca teve nem terá, e a esquerda eleitoreira e sindical perdeu; mas passou a ideias que foram soterradas pela evolução da realidade. A impressão é que a esquerda não percebeu que o Muro de Berlim caiu, e a direita não aceita que a Lei Áurea fori proclamada.

Não percebemos que o Estado se esgotou financeira, ética e gerencialmente. Seu gigantismo se fez ineficiente e atende mais aos interesses da própria máquina do que aos da população. Não aceitamos que estatal não é sinônimo de público, ainda menos de popular. Não vimos que para servir melhor aos interesses do povo é preciso considerar a inversão na pirâmide etária e a velocidade do avanço técnico, que a realidade exige reformas econômicas.

Não entendemos que a globalização, não é uma invenção do capitalismo, mas uma marcha da civilização industrial, e que o papel do progressista é tirar proveito dela para todos.

Não percebemos que a política não se faz mais por partidos em polarizações nítidas, mas por meios complexos com divergências e convergências, dezenas de agentes nem sempre organizados. Ainda não entendemos que inflação é uma forma de corrupção que rouba o salário do trabalhador; e que por isto a estabilidade monetária é do interesse do povo, especialmente dos pobres. Não percebemos que além do trabalho e do capital, a Confiança dos investidores e consumidores também é um fator para o bom funcionamento da economia.

Ainda não queremos entender que os limites ecológicos ao crescimento exigem mais do que proteger a natureza, exigem substituir o PIB por novos indicadores de progresso.

Sobretudo, não entendemos que educação é o vetor do progresso, tanto econômico quanto social. Por isto não radicalizamos na defesa de que as escolas dos pobres devem ter a mesma qualidade que as escolas dos ricos Não apresentamos como se faria isto, em quanto tempo, quanto custaria e quem pagaria.

O problema da direita é seu reacionarismo, social, insensibilidade e opção pelos ricos, sem desejar um país integrado socialmente; o da esquerda é a opção pelos sindicatos, não pelo povo, e sua prisão ao presente eleitoral e a ideias progressistas em um mundo passado. Por isto, conseguimos cara nova para radicalismo solidário mas não radicalismo reformista para construir utopias novas. Queremos corretamente atender aos sem-teto, no presente, mas não propomos um Brasil futuro sem sem-teto. Não temos tido ousadia de olhar para o futuro, nem defender as ideias que ele exige. A direita não aceita plenamente a abolição da escravidão, a esquerda nega a queda do muro de Berlim.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

Pacheco deve se distanciar das trapalhadas da agenda de Lira na Câmara

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, foi aconselhado por colegas a aproveitar os tropeços de Arthur Lira na Câmara para marcar uma diferença de...

Emissário de Bolsonaro tentou alertar Silveira sobre risco de prisão

Dias antes de o ministro Alexandre de Moraes, do STF, prender o deputado Daniel Silveira, um emissário de Jair Bolsonaro tentou contê-lo. “Você vai prejudicar...

Porsche de chefe do PCC vai virar viatura de polícia em SP

João Doria determinou que a cúpula da Segurança de São Paulo faça uma força-tarefa junto ao Poder Judiciário na tentativa incorporar aos bens do...

O que ainda segura Paulo Guedes no governo Bolsonaro

Depois dessa crise aberta por Jair Bolsonaro na Petrobras, Paulo Guedes nunca esteve tão abatido no governo, diz um colega dele de ministério. “O que...