21.2 C
Brasil
terça-feira, março 2, 2021
Início Política Somos diferentes, diz presidente do Novo após sigla eleger só um prefeito

Somos diferentes, diz presidente do Novo após sigla eleger só um prefeito

Uma das surpresas da eleição presidencial de 2018, quando colocou o seu candidato, João Amoêdo, em quinto lugar na corrida presidencial com quase 2,7 milhões de votos, o Novo confirmou nas urnas em 2020 o fraco desempenho que já vinha sendo anunciado.

Limitado principalmente por suas próprias regras, como a recusa a usar o dinheiro do fundo eleitoral e a exigência de concurso para escolher os seus candidatos a prefeito, o partido lançou apenas 30 candidatos às prefeituras em todo o país. Mesmo em Minas Gerais, onde surpreendentemente elegeu Romeu Zema governador em 2018, a sigla lançou apenas cinco candidatos – o estado tem 853 municípios, recorde no país. Na capital, Belo Horizonte, o candidato da sigla a prefeito, Rodrigo Paiva, teve apenas 3,63% dos votos.

No final das contas, o partido elegeu 29 vereadores em todo o país (de 560 lançados, o pior desempenho entre 29 legendas) e apenas um prefeito, no segundo turno, em Joinville (SC): o empresário do setor farmacêutico Adriano Bornschein Silva, que foi eleito com 55,4% dos votos válidos. Sua companheira de chapa também era do Novo, a jornalista Rejane Gambin – outra prática da legenda nesta eleição foi lançar apenas chapas “puro-sangue”, já que não houve coligação em nenhuma das cidades.

Mesmo com um resultado pífio, os líderes da legenda comemoraram. “O partido Novo tem seu primeiro prefeito eleito, e é o melhor prefeito do Brasil! Que orgulho dessa história!”, escreveu Eduardo Ribeiro, presidente nacional da sigla. “Parabenizo também todos os voluntários do Novo de Joinville, Santa Catarina e em todo o Brasil que se mobilizaram pela vitória da primeira prefeitura do Novo”, comemorou Amoêdo nas redes sociais.

Eduardo Ribeiro também fez questão de rebater as críticas à performance eleitoral da sigla. “O Novo foi criado para atrair pessoas competentes para a política. Pessoas, na maioria das vezes, de fora do circuito político, que nunca encontraram um meio por onde pudessem fazer a diferença. Não há nada de antipolítica. Somos políticos também, mas de uma escola diferente. Por isso, não adianta usar a mesma régua dos outros partidos para medir o desempenho do Novo. Não temos milhares de comissões provisórias espalhadas pelos rincões do Brasil, nem buscamos alianças e trocamos apoio a qualquer custo para vencer eleições”, afirmou.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Ultimas Notícias

STF arquiva denúncia da PGR contra “quadrilhão do PP” e salva Lira

A Segunda Turma do STF arquivou a denúncia por organização criminosa contra o chamado “quadrilhão do PP”, que envolvia o presidente da Câmara, Arthur Lira,...

STF julga lei de antenas de SP inconstitucional e abre espaço para 5G

Uma decisão do Supremo Tribunal Federal publicada ontem julgou inconstitucional a Lei de Antenas de São Paulo. A prefeitura e a câmara municipal recorreram...

Governadores ‘desistem’ de Pazuello para assumir a gestão da crise

Como já aconteceu em outras vezes ao longo dos últimos meses de pandemia da Covid-19, uma comitiva de 21 governadores foi a Brasília nesta...

Ministro pede aposentadoria ao vivo em sessão do STJ

O ministro do Superior Tribunal de Justiça Nefi Cordeiro, de 57 anos, pediu aposentadoria ao vivo durante a sessão de julgamentos desta terça-feira. “Pensei muito...